Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

A caminho da carta - a condução

Jonasnuts, 27.09.20

iPhone - Photo 2020-09-25 11_01_04.jpeg

Esta é uma história daquelas, que ficam para contar aos netos que um dia venham a existir. Os meus, os do instrutor e os da dona da escola de condução, presumo.

Então....... a "minha" escola de condução é pequenina, não é a do monopólio, que eu optei por reforçar o comércio local. O instrutor de código é um porreiraço e calha de ser também o instrutor de condução. No dia e à hora marcados, lá estava eu, as primeiras aulas são feitas numa 125 com mudanças. Esta da foto.

Lá fomos até ao local da aula, ele na mota da escola, eu na minha. Estaciono a minha e lá vou eu aprender o básico do básico e montar pela primeira vez numa mota com mudanças, e com embraiagem, e com travão no pé direito. E lá visto a porra do colete e lá ando com a bolsa do tablet que me mede a quilometragem, salvo seja,

O conceito da embraiagem é igual ao dos carros, não é difícil, larga-se até ela começar a querer ir, faz-se uma ligeira pausa e depois liberta-se à medida que se vai dando gás do outro lado. Pacífico.

A mudanças já é diferente, aquela coisa da primeira para baixo, as outras para cima e para baixo e agora, estás em qual? Terceira? Quarta? Segunda? Enquanto uma pessoa não aprende a perceber em que mudança está apenas pelo barulho do motor, e uma vez que não há qualquer referência visual, é preciso andar a fazer contas de cabeça. Não é difícil, é só completamente novo e é uma questão de se mecanizar. É, no entanto, uma experiência muito diferente da de conduzir uma scooter com mudanças automáticas.

Travão de trás, é uma novidade absoluta e completa. Mas, dizem-me, é fundamental aprender a usá-lo para mais do que não deixar descair a mota nas subidas (ou descidas).

Então o plano era começar a familiarizar-me devagarinho, com todas estas novidades, no parque de estacionamento por trás da escola primária. Num sítio que não me é familiar (é melhor ir contextualizando). 

O instrutor deu-me umas luzes, explicou-me os factos da vida, e disse, agora vá até ali ao fundo e depois volte, e vá dando aqui umas voltas até se sentir mais confortável. E eu lá fui. E voltei, e fui e voltei, enfim, o clássico de uma primeira aula de condução.

O instrutor ia corrigindo e dando dicas, sempre que eu passava por ele. Já se lembrou do travão de trás? Não. Já meteu uma terceira? Sim, e uma quarta também, mas depois baralhei-me nas contas e já não sabia em que mudança estava. Já deixou a moto ir abaixo? Ainda não (isso foi depois). Enfim, quase 10 minutos disto.

E é neste momento que o instrutor comete um erro capital; Olhe...... se já se sente mais à vontade, pode chegar lá a cima e em vez de fazer inversão de marcha, sai, vai por ali, e depois vira, e vem por fora e vem ter aqui a este lado. Muito bem..... eu já me sentia mais à vontade, o parque de estacionamento não tinha assim muita amplitude de recursos, pelo que aqui vai disto, bora dar a volta por fora.

Aquilo era uma subida, e eu tive de parar à saída do parque de estacionamento, e arrancar é o mais difícil, sobretudo se tivermos de fazer ponto de embraiagem, tanto que foi nessa altura que a deixei ir abaixo pela primeira vez. Sem stress, volta a ligar, mete a primeira, solta devagarinho, não vem ninguém, larga o travão, solta mais um bocadinho, cheirinho de acelerador, aqui está ela, pausa, larga tudo suavemente e já está na altura de meter a segunda, e isto não está aqui ninguém mete-se também já uma terceira, reduz que está aqui a rotunda, podes avançar, não te esqueças do pisca, sai na primeira, podes meter já a terceira, então........ mas onde é que eu estou? 

Pois que de repente me vi no meio de Algés de Cima ou Linda-a-velha, não sei, o meu sentido de orientação fugiu para parte incerta, isso, mais umas vias de sentido único, fizeram com que eu me perdesse, num sítio que não me era familiar (mas neste momento já é, até demais).

Ao princípio não me preocupei, aliás, até achei piada. Quão difícil iria ser, descobrir o caminho de volta para o parque de estacionamento da escola primária? A resposta, porém, revelou-se bem mais complexa do que o que eu imaginava.

Já vai longa a história e, encurtando a coisa, passei toda a santa aula à procura do sítio certo, sem dar com ele, quando perguntei, mandaram-me para outra escola (acho que há muitas, por ali), e só quando finalmente consigo falar ao telefone com o instrutor "então, mas onde é que a Maria João está?", é que ele me deu a porra da morada e eu fui de waze.

O senhor estava aflito, claro, que já estava atrasado para a aula seguinte, e estava preocupado comigo (e não é suposto uma pessoa que está a aprender andar assim de rédea solta), e "em 30 anos de instrutor é a primeira vez que me acontece uma coisa destas". E eu aflita porque estava a atrapalhar-lhe a vida e porque não foi uma situação simpática.

 

As vantagens, porém, foram algumas. Já domino Algés de Cima e Linda-a-Velha, já distingo as escolas todas umas das outras, e a cena das mudanças, já está oleada, que aquilo está cheio de bandas sonoras e por isso fartei-me de andar para cima e para baixo nas mudanças. Travão da roda de trás, ainda não, mas lá chegaremos, que isto resolve-se alugando uma 125 com mudanças e passando uma tarde a mecanizar estes processos todos.

 

Assim, para a próxima, posso concentra-me a olhar para a porra do caminho.

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.