Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Filipe Cristóvão 12.04.2012 15:23

    Queria só esclarecer que nunca lhe chamei a si, ou a qualquer outro, idiota. Se acha que o é, é um problema seu. Estava só a dizer que tal como você tem o direito à sua opinião, e a pronunciá-la, também eu tenho (ainda) o direito de achar que você é um idiota pela opinião que tem. Tal como tenho o direito de achar que é um génio.
    Quanto ao seu "argumento", o que eu entendi de "as pessoas já não podem ter opinião contrária aos nossos e serem tão fora de moda e politicamente incorrecto?" é que as pessoas podem dizer o que quiserem e não serem vaiados (ou aplaudidos) por isso (independentemente da absurdidade (ou genialidade) do que dizem). Se não era isto que queria dizer, as minhas desculpas pela minha errada interpretação.
    Quanto à parte dos Judeus, era apenas um exemplo de uma opinião, à qual não chegou a responder às minhas questões. Mas já agora, também não se preocupe, que não estou à espera delas, que isto não é nenhum fórum, eu sei.
    A isto, "As pessoas são como são e matam-se pelas mais variadas razões e deixam a desculpa que quiserem as que conseguem deixar.", nem vou deixar comentário.
    Mas concordo plenamente consigo num aspecto: "As avaliações de carácter ficam por conta de quem as faz."
  • Sem imagem de perfil

    Walker Pt 12.04.2012 16:05

    Tem, de facto, direito à sua opinião, e pior, defenderei sempre o direito de a poder dizer aos sete ventos! Mas não espere que, na minha opinião, não ache que você seja um idiota por ter a opinião que tem.

    Isto é diferente de:

    Tem, de facto, direito à sua opinião, e pior, defenderei sempre o direito de a poder dizer aos sete ventos! Mas não espere que, na minha opinião, não ache que seja uma opinião idiota.

    Resumindo uma ideia idiota, todos temos, um idiota com ideias é só para alguns.
    Se fosse dito no calor de uma conversa entendia, escrito....

    Por acaso não estou preocupado mas aqui vai, hoje estou de folga.
    Já que estamos em matéria de hipóteses, se os Espanhóis se lembrassem de nos exterminar, e a seguir viesse alguém dizer temos de exterminar os Espanhóis eu concordava com o segundo.
    Numa base mais simples, eu faria as duas coisas (até porque tenho um carinho especial por Judeus, sem sarcamos), caso entendesse que a pessoa tinha meios para concretizar a segunda, a primeira é sempre garantida.
    Eu teria sempre esta atitude no caso de ser outra raça qualquer ou mesmo um individuo e se a mesma fosse proferida sem ameaça tal como exemplifiquei acima.
    No seu caso e como não sei qual a sua visão sobre esta matéria percebe o porquê de não ter comentado, mas o meu conselho é de que se em algum instante concordar com isso procure ajuda médica, caso contrário faça o o que a sua consciência dita.
    Se não ia deixar comentário porque escreveu?
    Gostei do último parágrafo e parece-me que começamos a construir as bases para um futuro entendimento (lá estão outra vez os 98%).
  • Sem imagem de perfil

    Filipe Cristóvão 12.04.2012 17:17

    "Resumindo uma ideia idiota, todos temos, um idiota com ideias é só para alguns.". Àquilo que escrevi, não mudo uma vírgula. Concordo que são coisas diferentes, mas discordo da outra parte: idiotas com opiniões (não ideias, como disse) é o que não falta para aí.

    Quanto à parte da opinião de exterminar judeus (e, novamente, foi apenas um exemplo), acho que a única opção, sempre, é mostrar o desagrado sobre tal opinião ("We will remember not the words of our enemies, but the silence of our friends." MLK).

    Mostrarei o meu desagrado em relação a qualquer pessoa que ache, por exemplo, que "a opção gay é uma forma de negação radical" (e que principalmente veja a homossexualidade como uma opção), que "nas relações homossexuais há um niilismo assumido, uma ausência de utilidade, uma recusa do futuro", e que ainda misture "o uso de roupas pretas" com o conceito da homossexualidade, algo que até é normalmente associado ao movimento gótico.

    Só para concluir, não achei que o artigo de J.A.S. fosse particularmente homofóbico, achei-o apenas de uma particular desinformação e desconhecimento, que metia dó, só isso. Parece-me relegar a homossexualidade a um conjunto de "hipsters" só porque a heterossexualidade é muito "mainstream". E isso, na minha opinião, é idiótico (não só a opinião, como quem o pensa).
  • Sem imagem de perfil

    Walker Pt 12.04.2012 18:22

    Passando ao lado dos dois primeiros parágrafos que pouco têm a ver com o post.

    Agora sim começo a entender a ideia.
    Existem franjas da sociedade onde a homossexualidade é uma opção e uma fuga da realidade ou forma de negação, e ainda uma questão de negócio ou conveniência, isto não quer dizer que todos os homossexuais sejam assim, o problema está quando numa analise, queremos definir o padrão pelas excepções, para mim o sr. arquitecto foi pouco corajoso ao não assumir claramente a posição em relação ao tema, mais acima existe um post com os tipos de homofóbico, eu aceito mais depressa o nº 7 e no artigo a fuga é quando diz: -muitos jovens.
    O que não posso deixar de notar é que o que ele lá escreveu é uma realidade exceptuando a analise psicológica da outra pessoa, o que para arquitecto e mesmo para um psicólogo seria sempre uma questão de adivinhar.
    Um à parte nada nos garante pelo texto que o rapaz não possa ser um ator e que está a estudar um personagem.
    Não acho por isso um artigo de qualquer valor para a discussão do tema, mas talvez para uma análise de como avaliar uma pessoa pela postura, pelo que veste ou pelo carro que conduz, se é que vale alguma coisa.
    Preconceito é uma palavra difícil, e sim o sr. arquitecto estava a ser preconceituoso não com os gays, mas com aquele jovem que ia no elevador, eu fiz o que a minha consciência ditou, não concordei com ele e disse-o abertamente.
    Mas preconceitos todos temos alguns.
    E Jonasnuts, desculpe a monopolização do post.
  • Sem imagem de perfil

    Paulo 13.04.2012 00:15

    Peço desculpa, mas pode explicar melhor a parte em que diz que "existem franjas da sociedade onde a homossexualidade é uma opção e uma fuga da realidade ou forma de negação, e ainda uma questão de negócio ou conveniência"? A parte do negócio e conveniência ainda consigo entender, se estiver a referir-se à prostituição, sendo que mesmo aí é preciso ter uma certa "aptidão" digamos, para conseguir tal desempenho, se for hetero é claro.
    Mas não consigo perceber a que franjas da sociedade é que se refere onde a "homossexualidade é uma opção e uma fuga da realidade ou forma de negação".
    É que mais uma vez lhe digo, de alguém que sabe sobre o assunto, e que é gay. Eu escolhi ser gay, da mesma forma que você escolheu ser hetero. Ou seja, não escolhi. Já nascemos assim programados. Uns mais virados para um lado, outros para outro, e outros que de vez enquando pescam num lado e noutro (escala de kinsey mais uma vez). O facto de ser gay não tem nada a ver com fugas de realidade ou de negação. Negação seria estar a viver uma mentira.
    Em relação ao nº7, nunca se esqueça que preconceito "mata". Quando alguém abre a boca para melindrar alguém, seja pelo que for, ao seu lado pode estar um amigo, um jovem, uma criança, um filho... que vai estar atento ao que você diz. E palavras pesam....bastante acredite.
    Cumprimentos
  • Comentar:

    CorretorMais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Pesquisar

    No twitter


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2019
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2018
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2017
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2016
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2015
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2014
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2013
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2012
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2011
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2010
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2009
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2008
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2007
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2006
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D
    196. 2005
    197. J
    198. F
    199. M
    200. A
    201. M
    202. J
    203. J
    204. A
    205. S
    206. O
    207. N
    208. D