Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Os filmes que eu não vi

Jonasnuts, 20.10.11

Deve ser da idade, ou da experiência. Há filmes que eu não vejo. Nem de ficção, quanto mais os reais.

 

A sério, devo ter mais de uma dúzia de DVDs (do tempo em que ei ainda comprava DVDs) à espera de serem vistos. A ficção é sempre uma escolha, a realidade, na maioria das vezes, nem por isso.

 

Não vejo um vídeo online, se sei que me vai deixar na merda.

 

Não vejo os vídeos dos linchamentos.

Não vejo os vídeos de pessoas a serem mortas (por piores que elas possam ser).

Não vejo os vídeos do animal a ser atropleado/maltratado.

Não vejo os vídeas das miúdas a pregarem uma carga de porrada noutra.

 

Da última vez que uma merda dessas me entrou pelos olhos adentro, foi nos tumultos de Londres. Nada de violência extraordinária, mas extraordinariamente violento. Um jovem, provavelmente a tentar recuperar duma porrada, é ajudado por alguns, enquanto outros, aproveitando-se do momento, lhe abrem a mochila que levava às costas e o roubam. Não sabia ao que ia. Vi. Já passou muito tempo (o tempo, nos dias de hoje, passa mais depressa). Mas ainda não me consegui desfazer do sentimento de raiva. E ter raiva não é bom.

 

Não vejo vídeos. Não vivo num mundo cor de rosa, e sei que há pessoas más. Muitas.

 

Mas não vejo. Não preciso.

 

Por isso, não vejo.

 

E não vi, nem vou ver, o vídeo  criança chinesa atropelada, e atropelada, e atropelada.

 

Para quê? Para que quereria eu ver o horror? Porque hei-de eu querer ficar com uma ferida que não desaparece, que deixa marca.

 

Thank you, but no, thank you.

9 comentários

  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 21.10.2011

    Ah...mas aí discordamos..... as televisões não têm nada que pensar (dentro dos limites do bom senso) em que conteúdos é que são próprios para crianças ou não. Essa é uma selcção que cabe aos pais.

    Não delego nas televisões o trabalho que deve ser dos pais.

    Quanto ao gajo com problemas de auto-estima, é o meu troll de estimação :) Sempre é mais audiência para o meu analytics, e mais comentários para as estatísticas :)

    Se me incomodasse, corria com ele, mas não chateia, coitado, não deve ter mais com que se ocupar, e isto é o que lhe anima os dias. É meu dever cívico deixá-lo andar por cá :)
  • Sem imagem de perfil

    Visigordo 21.10.2011

    Mas eu não disse que o primeiro filtro não têm de ser os pais fazê-lo. O que disse é que há conteúdos que são inapropriados para um bloco noticioso e isso depende do bom senso de quem seleciona e autoriza que nos sirvam à hora de jantar o que de pior podem ter as pessoas.
    Quem faz jornalismo dessa forma não pretende transmitir qualquer informação, o que pretende é o choque e o sensacionalismo, e isso já desvirtua o que deveria ser um telejornal.
    Por algum motivo há filmes que só passam a determinadas horas e com a respectiva sinalização.
    No caso dessa notícia, eu, sem querer, fui obrigado a engoli-la.
    É claro que poderia ter virado a cara para o lado, mas também não esperava que me fosse mostrado o que me foi mostrado.
  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 21.10.2011

    Como falaste nos milhares de crianças, fui por esse caminho.

    A "informação" que nos chega através dos órgãos de comunicação social é cada vez mais sensacionalista e cada vez menos exacta.

    São muito poucas as peças de bom jornalismo (e isto aplica-se quer a um simples artigo sobre uma estrela de cinema de pariu como a um artigo sobre pensões e subvenções). Não estou a dizer que não há bons jornalistas em Portugal, o que digo é que a informação que nos chega é deformada e deficiente.

    Daí que cada vez mais recorro a formas alternativas de me informar, e desconfio SEMPRE duma notícia que leia num órgão de comunicação social.

    Já aconteceu eu pegar no telefone e ligar directamente à fonte, para saber se aquilo era mesmo verdade (no caso em particular, não era).

    Dentro das fontes, é preciso seleccionar a fonte. Dentro do mesmo jornal, há jornalistas e Jornalistas e há editorezecos e há Editores..... mais do que aceder à informação, as competências que realmente interessam hoje em dia, é saber seleccionar a informação a que se chega :)
  • Sem imagem de perfil

    Visigordo 21.10.2011

    Falei nos milhares de crianças porque se a mim me cai mal, imagino o que se passará dentro de uma cabeça em que a opinião ainda não está formada.
    E percebo o terror que vem misturado na pergunta: é lá longe, não é?

    Pelos vistos temos a mesma relação com o jornalismo. E eu vou mais longe, vejo por aí muito bom jornalista a fazer um trabalho de merda, porque ou fazem aquilo que lhes mandam ou a porta da rua é a serventia da redacção.
    Jornalismo espartilhado é um contra-senso em si mesmo, mas, infelizmente, foi ao ponto onde chegou.
  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 21.10.2011

    E também por isso é que a televisão, à hora de jantar, enquanto estamos todos a comer, está SEMPRE desligada.

    Ok, ok, excepção feita quando o Glorioso está a jogar :)
  • Sem imagem de perfil

    Visigordo 21.10.2011

    Pois... são gente em que se pode confiar cada vez menos.
    É curioso que quando joga o glorioso e perde, também os jantares me sabem melhor ;)
  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 21.10.2011

    Lá está.... os resultados de outros clubes que não o meu Glorioso, não me afectam minimamente :)

    É a diferença entre o Glorioso e os outros :)
  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 21.10.2011

    Lá está...os comnetários de outras com problemas de falta deles...não me afectam minimamente. É a diferênça entre eu ser um macho latino e a dita cuja ser uma GAJA com a agravante de estar há muito encalhada.

    MAC
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.