Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Idealista

Jonasnuts, 24.03.11

Dizem que os jovens são idealistas, e depois aprendem.

 

Pelos vistos, essa foi mais uma coisa que não aprendi.

 

O que me custa mais, nas legislativas que aparentemente vão acontecer, não é ter de passar por outra campanha eleitoral (e esta, a julgar pelos intervenientes vai ser do piorio), o que me custa não é o debate vazio, nem a demagogia a jorrar, nem o barulho e a poluição visual e sonora.

 

O que me custa mesmo é ter de olhar para isto tudo e decidir com base no critério "mal menor".

 

Não vamos, nestas eleições, escolher aquilo que achamos melhor para o país. Vamos escolher aquilo que achamos que dará menos prejuízo.

 

E como é que eu explico isto ao meu filho? E como é que eu explico isto à idealista que me habita?

6 comentários

  • Sem imagem de perfil

    J.C.Lopes 24.03.2011

    O problema desse raciocínio é: O que temos nós de melhor cá?
    Do meu ponto de vista, não temos que "ter medo do desconhecido" porque não é preciso ter-se sido governo para os conhecermos.
    Dos partidos que já foram governo, todos nós já sabemos o que valem. Dos que ainda não foram, parece-me que também, se não sabemos pelo menos imaginamos o que valem.
    Demagogia e populismo não enchem a barriga de ninguém e é apenas o que esses partidos têm mostrado.
    Parece que estamos condenados a dois partidos, e nesses acho que não vale a pena apostar porque já os conhecemos.

    Estamos mesmo tramados.
  • Sem imagem de perfil

    Sandra Cunha 24.03.2011

    esqueci-me de acrescentar que essa postura de achar que se conhece o que não se experimentou ainda de facto me faz lembrar os putos que em frente de um prato de sopa dizem logo que não gostam antes sequer de terem provado.

    Podes acreditar que os 'outros' serão iguais. Mas não podes prová-lo antes de experimentares.
  • Sem imagem de perfil

    J.C.Lopes 25.03.2011

    Demagogia e Populismo porque para esses partidos, que sabem que nunca virão a ser governo, podem prometer o que quer que lhes venha à cabeça pois sabem que nunca vão ter que o cumprir.
    Já os partidos que têm hipótese de ser governo têm que ter mais cuidado naquilo de dizem.
    Quanto ao que ainda não se experimentou. Não se experimentou ainda cá, porque essas políticas já não são novas, já estiveram implementadas por muitos países da Europa de Leste e viu-se no que deram.
    E não vale a pena dizer que as ideias não são as mesmas porque, se fossem implementadas, iriam de certeza a um qualquer tipo de ditadura.
  • Sem imagem de perfil

    Sandra Cunha 25.03.2011

    Não concordo, como é óbvio :)

    Essa ideia de que esses partidos nunca chegarão ao poder, apenas subsiste enquanto as pessoas tiverem medo da mudança e preferirem viver com aquilo que sempre conheceram por mais mau que seja.

    Não acredito que o povo Português seja assim tão masoquista e enfim, assim tão burro. Chegará a altura em que dirão (a maioria pelo menos) basta!

    As orientações que estes partidos defendem (pelo menos o Bloco), são por exemplo as que se vivem (com menor ou maior adaptação) nos países escandinavos (Noruega, Dinamarca, Suécia). E tal como dizes, basta ver o exemplo. A desigualdade salarial é muito menor (não tem mesmo nada a ver) do que aqui em Portugal, mesmo em alturas de recessão (anos 80 por exemplo) em que aplicaram algumas medidas de contenção de despesas, a educação nunca foi atingida. Pelo contrário, registou aumento de investimento. Todos pagam impostos. A Banca também! Os transportes, a educação, a saúde é pública e universal. A protecção na maternidade/paternidade, no desemprego e na velhice são fortes.

    É possível viver-se assim. Portugal tem todas as condições para isso. As mesmas que a Suécia, por exemplo. Basta querer-se. Basta que alguns abdiquem de passar a vida a 'puxar a brasa à sua sardinha', a querer enriquecer à custa dos outros, a fugir aos impostos, a explorar. Basta um pouco de decência, moral e justiça social.
  • Imagem de perfil

    Terebi-kun 25.03.2011

    "É possível viver-se assim. Portugal tem todas as condições para isso. As mesmas que a Suécia, por exemplo. Basta querer-se. Basta que alguns abdiquem de passar a vida a 'puxar a brasa à sua sardinha', a querer enriquecer à custa dos outros, a fugir aos impostos, a explorar. Basta um pouco de decência, moral e justiça social."

    Só há um problema: os portugueses são portugueses, não são suecos. E isso faz uma grande diferença. Daqui a umas décadas, talvez Portugal chegue lá.
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.