Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Música Erudita para Totós

É o livro de que preciso, a verdade é essa.

 

O meu iTunes faz muito morto dar voltas na campa, por se saber na mesma base de dados de muito outro morto (e vivo), mas tem uma (?) lacuna grave, a música clássica erudita.

 

Se o meu filho me fala de Queen, de Zeca, de Barbra, de Beatles, de Stones, de Trovante, enfim, duma série deles (uns mais obscuros que outros) eu consigo mostrar-lhe e dar-lhe a ouvir (em alguns casos a obra completa), mas quando o meu puto se vira para mim, que virou, e me diz que curte a Lacrimosa de Mozart, eu fico muda e queda.

 

Abençoada internet, que à distância de meia dúzia de teclas me elucida (e que foi, em primeiro lugar, o que lhe deu a conhecer a tal da Lacrimosa, que afinal é o Lacrimosa, porque é um Requiem).

 

E agora? Música clássica erudita no meu iTunes é coisa rara. Tenho um dos melhores álbuns de todos os tempos, o Hush do Bobby McFerrin, mas pouco mais.

 

Como é que eu lhe dou a conhecer um mundo que desconheço?

 

Há algumas músicas e/ou compositores cuja obra seja mais adequada às crianças? Confesso que a tal da Lacrimosa é belíssima, mas porra, é um Requiem, não há coisitas menos carregadas, mas igualmente belas?

 

Vá, ajuda precisa-se, que eu, nesta matéria (e em tantas outras) sou uma totó :)

4 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Francisco 19.02.2011 01:13

    Nao se deve dizer nada música erudita. Deve dizer-se música classica ou séria ou o que te apetecer mas nunca musica erudita, porque essa musica nao tem nada de erudito, é apenas uma catalogacao. c.f. wikipedia alema: "Der Begriff klassische Musik wird als Synonym für Kunstmusik beziehungsweise ernste Musik (E-Musik) und als Gegenbegriff zu Popularmusik (U-Musik, Unterhaltungsmusik) sowe Volksmusik – die regionaltypische Musiktradition – verwendet" ( O conceito música clássica é utilizado como sinónimo de música artística ou música séria em contraposicao com a música popular e música popular de tradicao regional.

  • Sem imagem de perfil

    Luís Ferreira 19.02.2011 15:55

    A terminologia fundamenta-se em convenções e estas podem variar de um país para o outro. Assim, nem sempre termos semelhantes em línguas distintas tem significados equivalentes. Vou dar dois exemplos concretos também no âmbito da arte:

    1- Modernismo: Em Portugal, e posteriormente no Brasil, o uso dos termos “modernismo” e “modernista” surgiu aplicado a práticas artísticas e literárias de vanguarda ocorridas nas décadas de 1910 e 1920, sendo fruto de um equívoco jornalístico numa crítica ao Salão da Primavera da Sociedade Nacional de Belas Artes (Lisboa, 1914), publicada no Jornal de Notícias (Maio de 1914). Passou então à linguagem comum, caracterizando artistas e objectos artísticos adjacentes a atitudes de modernidade. Um equívoco que, como refere José-Augusto França em (In)definições de cultura, por uma “facilidade de catalogação” haveria de perdurar, continuando ainda actualmente a ser empregue regularmente por críticos e historiadores da arte e da literatura.
    Internacionalmente, Modernism corresponde ao movimento e corrente estética que se designa por Movimento Moderno – referindo-se sobretudo a um tipo de arquitectura e design, dito moderno, surgido a princípios do século XX (1906) –, tendo como ponto de partida o proto-racionalismo alemão e a fundação do Deutscher Werkbund, consolidando-se internacionalmente depois da Segunda Guerra Mundial. Em Espanha, por exemplo, Modernisme remete para o movimento estético catalão que nós designamos por Arte Nova.

    2- Arte Nova: este movimento estético tomou ou recebeu vários nomes consoante os países em que se manifestou – Jugendstil na Alemanha, Nieuwe Kunst nos países baixos, Sezessionstil na Áustria, Style Liberty na Itália, Art Nouveau em França, Arte Nova em Portugal e Modern Style na Inglaterra.

    Retomando a questão da música. Música Erudita e Música Clássica, do ponto de vista do estudo da música e não do ponto de vista global da utilização vulgar dos termos, não são, de todo, a mesma coisa. Música Clássica, em rigor, é a música composta num período específico da Música Erudita. Confunde-se vulgarmente Música Clássica com a Música Erudita, mas, Música Clássica refere-se somente ao Período Clássico que se situa, mais ou menos, entre a metade do séc. XVIII até à metade do séc. XIX. A expressão “Música Erudita”, tal como ela é compreendida no âmbito musical, é o conjunto dos períodos que vão desde o medieval até os dias de hoje. O estudo da música designou a expressão Música Erudita, para deixar claro que ela não é, somente, clássica, eliminando-se, assim, todas as possíveis ambiguidades.

    Quando há mais que uma designação expressiva para uma ideia, por qual devemos optar? Como devemos, então, proceder neste caso, quando quase toda a gente (na qual eu me incluo normalmente) se refere à Música Erudita pela expressão Música Clássica? É a velha oposição entre o valor semântico e o valor pragmático dos termos. Se por um lado a expressão Música Clássica se refere a um período específico da Música Erudita (o seu valor semântico, o que a expressão quer mesmo dizer por si mesma), pelo outro lado, temos o uso que fazemos dela (o seu valor pragmático, a forma como a maioria se exprime).
    A expressão “Música Clássica” é a que, vulgarmente, se usa para fazer referência à Música Erudita porque foi na época, imediatamente, posterior a este período cultural, que o vulgo começou a fazer referência à música dos eruditos. Portanto, a expressão Música Clássica vulgarizou-se para designar toda a Música Erudita já que foi nesta altura que ela começou a se tornar mais acessível a todos. A Música Erudita evoluiu, então, como já tinha evoluído antes, e passando a ser Romântica, mas, a grande maioria continuou a chamá-la Clássica, e assim foi até hoje.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco 20.02.2011 01:27

    Eu concordo com o seu comentário em termos gerais, quando escreve: Como devemos, então, proceder neste caso, quando quase toda a gente (na qual eu me incluo normalmente) se refere à Música Erudita pela expressão Música Clássica? „ E responde: „É a velha oposição entre o valor semântico e o valor pragmático dos termos.“ E mais adiante „A expressão “Música Clássica” é a que, vulgarmente, se usa para fazer referência à Música Erudita (...)“ „Portanto , a expressão Música Clássica vulgarizou-se para designar toda a Música Erudita (...)“.
    É isso que eu penso.
    E continuo a achar que dizer Música Erudita suscita a ideia de que a musica é para eruditos, o que não poderia estar mais longe da realidade. É uma utilização que eu desgosto e ao estar a dar a minha opinião num blog não me preocupei com a análises taxonómicas mas com a utilização que se faz da língua.

    Nem existe que eu conheça, em nenhuma parte do mundo uma Rádio Erudita ou Rádio de Música Erudita, mas existem em quase todos os países mais desenvolvidos Rádios de Música Clássica ( e.g. BBC Radio 3 Classical , Klassikradio entre outras na Alemanha, para não falar na Antena 2, com a tagline „ A Rádio Clássica“ etc ). Nem ninguém diz na Alemanha de onde por acaso escrevo estas linhas „ernste Musik“ (música séria) que ainda soa em Alemão mais „absurdo“ que Música Erudita em Português.

    Summa Summarum : Penso que o termo Música Clássica, é o termo que toda a gente usa hoje em dia e é o que eu uso. Strictu sensu Música Clássica traduza apenas parte de uma realidade maior, como explicou.

    Lembro-me a despropósito que quase ninguém no mundo prático diz celeridade nem rendibilidade para se referir a velocidade e rentabilidade) e já agora (e infelizmente) nem bicha para se referir a fila ( se bem que eu bem tento cada vez que vou a Portugal usar a palavra - correctíssima em Português continental. Infelizmente as pessoas já incorporaram o uso brasileiro e a palavra hoje está no limiar do tabu. Mas isso é outra conversa..:))


    Francisco

  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Pesquisar

    No twitter


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2005
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D