Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Ensitel

Jonasnuts, 27.12.10

No passado dia 22 fui surpreendida, ao receber uma nota de citação pessoal.

 

Parece que a Ensitel não gosta mesmo nada dos posts que aqui escrevi sobre a minha experiência enquanto cliente deles, e acha que eu não tenho o direito de partilhar, neste meu espaço, aquilo que penso e sinto acerca da empresa.

 

Posto isto, os senhores, em vez de me telefonarem e perguntarem como é que poderiam resolver o problema, decidiram que era mais eficaz pedirem aos advogados que os representam que me escrevessem, intimando-me a apagar os posts em causa. Não pediram direito de resposta, não perguntaram como é que poderiam resolver o problema, não quiseram, sequer, saber, porque razão é que eu estava chateada com eles, não, decidiram que o que queriam era que eu apagasse os posts. Não apaguei.

 

Assim sendo, os senhores cumpriram a ameaça, e no dia 22 recebi a tal citação pessoal, que é um documento de 31 página (sim, 31) em que sou intimada pelo tribunal a constituir um advogado, e é um procedimento cautelar.

 

Basicamente querem que o tribunal me mande apagar os posts que escrevi sobre a Ensitel. Estão ali, linkados na barra da direita do Blog. São 6. Com este 7.

 

Portanto, a Ensitel não gosta que os clientes expressem livremente a sua opinião. A liberdade de expressão é muito linda e coiso e tal, mas só quando não chateia. Se chateia, já não há liberdade de expressão para ninguém.

 

Eu não minto nos meus posts sobre a Ensitel. Descrevo a situação, dou os factos, e escrevo o que penso acerca da coisa.

 

A Ensitel está a precisar de contratar uma empresa de Relações Públicas, mais do que uma sociedade de advogados. Triste é que, passado tanto tempo, ainda não tenham percebido isso.

 

Para quem tiver pachorra para a novela toda, é seguir os links.

 

Take 1

Take 2

Take 3

Take 4

Take 5

Take 6

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 30.12.2010

    Oh menina explique-me uma coisa: se o serviço de uma certa empresa não lhe foi cómodo a fim de rejeitar a troca do produto comprado. Que culpa temos nós disso? Por que motivo vem com cuspidelas ultrajantes sobre a justiça: da sua ineficácia, da sua falta de poder... com que propósito?
    Não entendo, sinceramente, o porquê de cair sempre em cima da justiça. Sempre a tentar "foder" o estado. Os grandes causadores da crise é o povo, que não se sabe consciencializar e embirra com o que não cabe nas suas mentezinhas. Portanto vamos ter coerência naquilo que dizemos porque ao vir para aqui com um discurso demagógico. Sem provas e muito porventura falacioso, incendiando, desta forma, a manada que de um pequeno relato faz escândalo . É preciso ter cuidado com o que se diz.
    Agir de má fé é feio e a senhora, como boa religiosa, devia saber.
  • Sem imagem de perfil

    Célia Cosme 30.12.2010

    Sr. "Anónimo"!
    Não consegui deixar de reparar no seu comentário!
    Nem consigo classifica-lo!
    Como uma pessoa escondida atrás do anonimato pode " vir para aqui com um discurso demagógico."?
    ...."Que culpa temos nós disso? Por que motivo vem com cuspidelas ultrajantes sobre a justiça:..." - Nós quem? e quem é o Senhor? para defender a justiça e atacar uma pessoa que só está a defender os seus direitos que é simplesmente usufruir do bem que adquiriu?
    Utizando mais uma das suas frases!..."Portanto vamos ter coerência naquilo que dizemos ..."
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.