Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Ir à bola

Jonasnuts, 25.03.10

Sou Benfiquista. Sempre fui. Antes de nascer já era sócia, depois tiveram de trocar o nome, porque estavam à espera de um João Maria e saí eu, uma Maria João. Portanto, era inevitável.

 

E isto é uma coisa que se passa aos filhos. Não baptizei o meu filho, ele que escolha a religião que quiser, quando tiver idade para o fazer, enfim, as escolhas, em todos os campos, são dele, mas não no campo desportivo, aí só tem uma opção, e é inapelável e irrevogável, ser Benfiquista não é uma opção, é assim que somos, obrigatoriamente. É de família (embora nem toda a minha família fosse do Benfica, tive uma avó lagarta, mas era a excepção).

 

Para consolidar o espírito Benfiquista do puto é preciso trabalhar. Fartei-me de lhe dizer que o Benfica tinha sido campeão, mesmo e anos em que isso não aconteceu, quando ele não tinha idade para obter a informação doutra forma :) Neste tema não faço prisioneiros, e uso todos os argumentos. Enfim, sou uma política, desportivamente falando.

 

Mas, no meio de tanto trabalho, ainda não fiz algo que considerava imprescindível para esta consolidação ou confirmação. O puto ainda não foi à Luz ver um jogo do Glorioso. Não é por falta de tempo, nem de dinheiro, eu até sou sócia, pelo que os preços são mais em conta. O problema é que eu sou Benfiquista mas também sou mãe. E eu sou maluca, mas não sou estúpida.

 

Não levo o meu filho a ver um jogo de football no estádio. O risco da coisa dar para o torto é cada vez maior, e mesmo que não nos acontecesse nada a nós, a perspectiva de ter uma cena de pancadaria ali ao pé, ao vivo e a cores, não me agrada.

 

Ah, porque és super protectora, ah porque mais tarde ou mais cedo ele vai ver essas coisas, ah, porque quanto mais cedo ele for confrontado com a realidade melhor.

 

Uma merda. Sou super protectora sim e até acho que tenho feito nesse campo um trabalho razoável, porque se eu achasse que ver porrada lhe fazia bem deixava-o ver rodos os programas de televisão que ele quer, ou começava a dar-lhe porrada desde cedo, para o ajudar a perceber que a vida é mesmo assim, e que passamos a vida a levar porrada.

 

Tenho pena, mas enquanto não achar que estão asseguradas as condições de segurança que eu considero mínimas para o meu filho e para mim, não vou à bola.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 25.03.2010

    Eu tinha percebido :) Mas obrigada pela correcção.

    Eu sei que é seguro, na maioria dos casos. E conheço quem leve a miudagem ao football, mas e se me toca o galo de, precisamente no dia em que eu vou, a coisa descamba? É que cada vez mais há descambadelas.

    E, se esteve em Faro, pode não ter visto nada nas imediações, mas terá de ser muito distraído para não ter visto as cadeiras a voar dentro do estádio, durante o jogo :)
  • Sem imagem de perfil

    tartofs 25.03.2010

    Uppsss... Pois claro que vi, na bancada oposta, de onde voaram na volta de uma centena de pedaços de plástico que pesam 100gr, que do meio da bancada só um Hércules consegue fazer chegar o objecto ao relvado! eheh (joke)

    Também trouxe ao assunto uma final, que são jogos que tem especificidades completamente diferentes. Vou ser sincero, a primeira final que vi no estádio nacional foi um Beira Mar - Campomaiorense e sou sincero, não me estava ali a ver naquela mata num Benfica - Porto, muito menos acompanhado por um filho meu, criança vá.

    O cerne do seu post eu entendi perfeitamente, só não acho que devemos generalizar os casos com os factos. Um jogo da Liga é uma festa bem diferente e muito mais amigável.

    Minha cara, siga o conselho (ou convite) do caro Aniceto! :)
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.