Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Da próxima vez que for dar sangue....

Jonasnuts, 20.07.09

Sou dadora de sangue. Tenho daquele tipo de sangue esquisitóide, que é raro e muito apreciado, e desde que soube disto, passei a ser dadora. Dou sempre que posso. Para amigos, familiares, conhecidos, desconhecidos ou só para reforçar os bancos. Faz parte. Também estou inscrita como dadora de medula e, quando eu for desta para melhor, espero que aproveitem o que houver para aproveitar, e despachem o que já não der serventia a ninguém.

 

À conta da recente polémica levantada pelos novos critérios do IPS, ocorreu-me uma sugestão.

 

Todos os dadores, no momento do preenchimento do formulário antes da doação, deveriam escrever que são homens, e homossexuais. Isto resulta melhor se se for, de facto, um homem, mas acho que mesmo assim eles perceberiam a dica.

 

Bora? Toca toda a gente a sair do armário, no momento de dar sangue?

 

Quando lhes começar a faltar sangue, a ver se não mudam logo os critérios.

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Paula Valenca 22.07.2009

    Lies , damn lies and statistics.

    É extremamente complicado fazer um estudo fidedigno e representativo da população infectada por HIV. Posso-lhe dizer desde já que os números que apresenta pecam em imensos aspectos a começar pelo facto que não distinguem comportamentos de risco, não especificam o universo explorado e tem 4 anos em cima.

    Por exemplo, um dos grupos mais complicados de obter informações são homens casados que, às escondidas, têm sexo desprotegido com outros homens em parques. Esses são criticos e muitos nem sabem que estao infectados, assim como as suas mulheres.

    Outra coisa, quando o sexo é protegido a diferença dos riscos de infecção de homem para homem em comparação com de homens para mulheres é negligenciável. Posso-lhe arranjar números.

    Quanto a números portugueses, verdadeiramente fidedignos, não arranja. Ainda há dois anos tive uma longa conversa com pessoal da Abraço por causa disso.

    Mas o verdadeiro cerne da questão aqui é este: ainda há institutos de sangue que impedem mulheres de dar sangue por serem homossexuais. Isto apesar de, na qualificação de grupos de risco (que o próprio IPS declarou não fazer sentido hoje em dia, mas sim comportamentos de risco) serem considerados o grupo de menor risco. Parenteses : isso aliás, porque julgam que nada lhes toca, torna o instrui-las em sexo seguro mais complicado).

    Há aqui uma questão de distinção entre grupos de risco e comportamentos de risco.
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.