Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Ensitel - Eu sei que sou chata

Jonasnuts, 26.04.09

Enquanto o meu conflito de consumo com a Ensitel aguardar marcação da tentativa de conciliação e arbitragem, no Centro de Arbitragem de Conflitos de Consumo de Lisboa, não tenho muito a fazer, a não ser olhar para o telemóvel fechado na caixa, sem poder ser utilizado há quase 2 meses.

 

Com tantas leis, e centros, e livros de reclamações e dias do consumidor, esperar-se-ia que não fosse este último a ser lixado, sempre, mas na prática é o que acontece, pelo menos a curto prazo. Não sei o que é que irá sair da tal tentativa de conciliação e consumo, mas a verdade é que, a curto prazo, repito, a ensitel já está a ganhar. Afinal de contas, já lá têm o meu dinheiro, e eu continuo sem poder usar o telemóvel.

 

Mas, a médio longo prazo, os consumidores persistentes (ou teimosos, como preferirem) fazem valer a sua opinião.

 

No Google.pt, depois duma pesquisa à palavra Ensitel, há 2 referências a este Blog na primeira página de resultados. No SAPO, a mesma coisa.

 

A médio/longo prazo, a minha insatisfação com a forma como fui tratada enquanto cliente da Ensitel, e o facto de registar aqui essa enorme insatisfação, poderá condicionar potenciais clientes.

 

Qualquer pessoa que faça uma pesquisa por ensitel tem uma enorme probabilidade de vir parar aqui, quanto mais não seja porque o site da ensitel são mais as vezes que está em baixo do que as vezes em que está a funcionar.

 

A curto prazo, não está a correr grande coisa para mim, mas a médio/longo prazo, senhores da ensitel, ter-vos-ia saído mais barato se tivessem procedido doutra forma.

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 23.09.2009

    Bom, a Lei é clara, e se houver defeito, o vendedor é obrigado a trocar o equipamento pelo que se eu caísse na asneira de comprar um iPhone e ele viesse defeituoso, a empresa que mo vendeu teria de o trocar.

    Eu reclamo da Ensitel por não ter tratado a sua cliente (eu), no pós venda, de forma justa. Recusou-se a receber o telefone defeituoso por 2 vezes, alegando que tinha riscos (quando não os tinha), embora no momento da compra me tivessem dito que trocariam o equipamento caso houvesse algum defeito. Antes da compra o discurso é um, depois da compra o discurso é outro, apenas isso.
  • Sem imagem de perfil

    Patti 26.09.2009

    Boa noite,

    Não sei bem, o que mais ridículo existe neste blog para comentar... Se é o facto de a senhora não ter mais nada para fazer, senão perder tempo a falar mal de uma empresa, apenas porque não lhe trocaram um equipamento com riscos, que é norma tanto das Marcas que fabricam como dos Operadores que as distribuem... Ou o facto de a senhora e outros comentadores falarem mal do trabalho que as pessoas que estão atrás do balcão têm de fazer...
    Por incrível que pareça os clientes que vão às lojas reclamar, quase nunca vêem os riscos, são muito escassos aqueles que sejam sinceros e que verifiquem que de facto o equipamento está riscado... Ninguém nas lojas tem prazer de não trocar o telefone, apenas fazem o seu trabalho pois as marcas não os aceitam de volta riscados!!!!
    Para além de tudo isso, se a senhora tivesse razão este caso já estaria resolvido, e apenas a marca NOKIA o poderia resolver, não a entidade Ensitel, pois não são eles os fabricantes da marca, e também não são eles que prestam a garantia, apenas fazem o serviço de envio!
    A senhora em vez de acusar tudo e todos, deveria, de facto informar-se...
    Já agora antes de falar de LEI, deveria de a ler com mais atenção, pois não parece que o esteja a fazer correctamente.
    Estamos a 26 de Setembro de 2009, passaram cerca de 7 meses, e anda com isto para trás e para a frente, quando na loja Nokia do Colombo, poderiam ter resolvido isto em 24h, actualizando o software...
  • Sem imagem de perfil

    Wishmaster 07.03.2010

    Custa-me acreditar que em pleno ano 2010, quando a lei das garantias já conta 7 anos de vigência na nossa ordem jurídica, ainda existam pessoas como o Luis Sarta e a Patti a falar desta forma.
    Pois só demonstram ignorância e um total desconhecimento da lei, pelos vistos a ignorância deliberada da lei quanto à matéria que se debate aqui é um problema muito frequente e típico dos funcionários que trabalham em lojas de bens deste tipo, bem como das respectivas entidades patronais pois o discuso é sempre o mesmo.

    Ora, 1.º o Luis Sarta:

    "Sim, mas sabe que os fabricantes impõem regras aos distribuidores, tente lá que lhe troquem um IPhone que esteja avariado no mesmo dia que o comprou, ou um PC da Asus, não lho trocam porque o fabricante não deixa."
    Totalmente errado.

    Há-de me dizer que loja é essa para eu ir lá comprar um desses aparelhos avariados e pedir a troca no mesmo dia.
    Se for como o senhor diz, e me fizerem isso, passados 15 dias estará a receber uma cartinha do tribunal. Não só terá de ser resolvido o contrato como ainda terá de pagar uma indemnização e custas judiciais.
    Diz também que os fabricantes impõem regras aos distribuidores. Pois fique a saber que não são distribuidores.
    Para a lei, sao vendedores, são profissionais que vendem um bem a um consumidor e RESPONDEM PERANTE O CONSUMIDOR. Depois sim, têm direito de regresso perante o fabricante para reembolsar um produto com defeito.

    Se não trocam produtos no mesmo dia são tolos por seguirem as regras do fabricante, pois POR LEI têm de reparar ou trocar.

    Depois vem a senhora Patti que só demonstra ignorância. Diz à autora do blog para ler a lei mas quem devia ler a lei era ela.
    Aliás, nem percebeu o caso concreto da autora do blog que diz assim:
    "Recusou-se a receber o telefone defeituoso por 2 vezes, alegando que tinha riscos (quando não os tinha), embora no momento da compra me tivessem dito que trocariam o equipamento caso houvesse algum defeito."
    Pelo que por aqui se entende, o telemóve terá avariado e a Ensitel não aceitou a troca CUJO FUNDAMENTO SERIA UM DEFEITO DE FUNCIONAMENTO por o telemóvel ter riscos.

    A senhora Patti vem dizer que os clientes nunca vêem os riscos e nem percebe que não é isso que está em questão. Além do mais, mesmo com os riscos, o equipamento tem de ser trocado caso tenha algum defeito!!! Têm é de ser riscos causados por um uso normal e obviamente não podem ser a causa da avaria ou defeito, porque nesse caso, a culpa já será do consumidor e não um mero defeito do equipamento.

    Por isso, senhor Luis e senhora Patti, só pelos vossos comentáris, que além de rudes não ajudam em nada a autora do blog, já deu para ver:

    1.º - trabalham/trabalharam para uma dessas tais distribuidoras ou operadoras.

    2.º - não precebem PUTO do que diz a lei.

    Só para esclarecer:
    As tais OPERADORAS ou DISTRIBUIDORAS, como os senhores referem, RESPONDEM PERANTE OS CONSUMIDORES, são vendedoras, entendem? Ou acham que iam fugir à lei e deitar a culpa para cima dos fabricantes? Isso é que era bom...

    Para terminar, como trabalham/trabalharam nessa área de vendas, aconselho-os a falarem com juristas para que possam exercer as vossas funçoes de forma mais LEGAL.

    Cumprimentos.
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.