Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Sabem onde é que podem meter a lei da paridade?

Jonasnuts, 20.04.09

No lixo, que é de onde ela nunca devia ter saído.

 

Não gosto de quotas. Aquela coisa do "vamos lá contratar mulheres por decreto porque elas, coitadinhas, sem decreto não vão lá" colide-me com o sistema nervoso. Discriminação positiva é algo com que embirro, seja com mulheres seja com quem for.

 

Parece que há mais quem concorde comigo. Na Madeira (onde é que havia de ser?), parece que a recomendação do Sr. Jardim ficava num lugar não elegível. Não há problema nenhum, falamos com as senhoras das quotas, e dizemos que aquilo é só para a fotografia. Só precisamos delas para a campanha e pôr o povinho a pensar que acreditamos nessas merdas da paridade, porque depois, quando for trabalho a sério, claro que só pode ser levado a cabo por um homem, elas demitem-se e entram os cérebros.

 

A notícia pode ser vista aqui, mas quem ma deu em primeira mão foi o blog do Miguel Vale de Almeida.

 

 

 

 

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 23.04.2009

    Eu quero é pessoas competentes. Nã quero saber se são brancas, pretas, azuis ou cor de rosa. E interessa-me pouco saber se têm uma pilinha ou um pipi. A não ser que seja o omeupipi.blogspot.co :)
  • Sem imagem de perfil

    JP 23.04.2009

    Eu também quero pessoas competentes. É precisamente esse o problema.

    Se apenas 10% dos deputados são mulheres e 50% da população é feminina, isto quer dizer que há menos mulheres competentes que homens? Eu não concordo com isso.

    Há mais mulheres em licenciaturas do que homens, mas isto não se está a reflectir no sistema político.

    O que é grave, e se nos primeiros anos parece "forçado" - mas seria forçado *junto* dos partidos políticos.

    Em poucos anos deixaria de ser necessário.
  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 23.04.2009

    Para já acho que confundes inteligência com licenciatura.

    E depois....a escolha de carreira não deve pertencer às mulheres?
    Se as mulheres não querem seguir a carreira política, porque é que hão-de ser criadas quotas?

    Acho muito bem que haja igualdade no acesso às profissões, mas não acho bem que haja mínimos obrigatórios.

    Vamos deixar de falar em política, e vamos transferir o debate para outra profissão, estivadores, taxistas, polícias, militares...
    Aí choca-te que existam menos mulheres que homens?
  • Sem imagem de perfil

    JP 23.04.2009

    No caso do parlamento - nota que é o *único* cenário em que acho as cotas essenciais - é a representação da nação e aí as mulheres estão claramente sub-representadas.

    Estudei ciência política e conheci bastantes mulheres inteligentes que adorariam chegar a deputadas. A barreira é claramente na carreira partidária nos Partidos Políticos.


    No caso das empresas, depende destas, promoverem ou não mulheres.

    Negligenciar metade da população com o argumento "isto não as interessa" é altamente redutor.

    Mais, uma das formas de reduzir a corrupção num sistema (político, empresarial, institucional), é aumentar a participação das mulheres.


    Discussão sobre este assunto.
    http://www.u4.no/helpdesk/helpdesk/queries/query98.cfm

    Já agora, um argumento oposto. Há a teoria de que o aparecimento de mercados de bolsa onde actuam elementos masculinos e femininos resultou no aumento do risco - homens com níveis de testosterona elevado a tentar acasalar :)

    Não encontro o artigo sobre o papel das mulheres, mas cá está um sobre a testosterona:
    http://casualcausality.wordpress.com/2008/04/19/breaking-news-testosterone-caused-the-housing-market-to-crash/

    PS: Não, não sou paternalista neste assunto, apenas pragmático. Se os partidos não fossem a merda que são não estaríamos a ter esta discussão :)
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.