Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

O ensino da língua

Jonasnuts, 22.09.08

Uma das coisas que vinha na lista de material a comprar este ano, para o puto, era um dicionário de português/inglês - inglês/português.

 

Não usamos dicionários lá em casa, está tudo online, mas faz sentido, para uma criança aprender a utilizar um dicionário. Quer dizer.... não sei se faz, mas pronto.

 

Ando à cata do dicionário. E não pode ser qualquer um, tem de ser um de jeito. Não quero uma daquelas coisas muito pesadas, mas também não quero um dicionário de bolso, naquele papel fininho.

 

Encontrei várias ofertas, dentro deste segmento. E agora? Como é que se distingue uns dos outros? Têm mais ou menos o mesmo número de entradas, a mesma resistência, letra perceptível... haverá alguma características que distinga um dos outros? Um que sobressaia por alguma razão? Pela positiva?

 

Há sim senhor. É este:

 

 

Da Porto Editora. É um dicionário Moderno. Presumo que nome "moderno" lá esteja porque tem todos os fucks, cunts, shits, e demais vocabulário que faz falta a qualquer jovem que esteja a aprender uma segunda língua. Com as traduções à letra. Sem medo, no fear.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Jonasnuts 22.09.2008

    São remotas as possibilidades de:
    a) Vir a olhar para o dicionário
    b) Vir a consultar o dicionário (a julgar pelo exemplo do de português).
    c) Na eventualidade de vir a consultar o dicionário, dificilmente andará à procura dessas palavras.
    d) Quando consultar o dicionário, estará acompanhado, logo, contextualizado :)
  • Imagem de perfil

    pedrocs 23.09.2008

    Sei que és mãe há dez anos, mas rapaz, nunca foste.

    Posso-te por isso dizer quase com certeza absoluta que é *precisamente* essas palavras que vai procurar.

    Aprendi mais coisas sobre sexo na seríssima e caríssima Encyclopaedia Britannica do meu pai do que no recreio (onde, diga-se, os idiotas dos meus colegas achavam que sexo "por trás" só anal e ficaram muito surpresos quando viram no Quest for fire que os homens das cavernas se reproduziam assim - ainda bem que eu aprendi três ou quatro coisas sobre anatomia feminina no meu tempo livre e sem... *ahem* "contextualização").

    E quanto a gajas nuas... vi tantas, mas tantas, antes sequer de entrar na adolescência que acho que conheço metade do hemisfério norte no que diz respeito a modelos badalhocas.
  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.