Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Jonasnuts

Bicicletas e avarias

Jonasnuts, 18.06.08

O meu filho "herdou" uma bicicleta. Veio mesmo a tempo, que ele cresceu e a antiga já não lhe servia.

 

A nova, toda xpto, e mudanças e coiso e tal é excelente. Só havia um problema. Era cor de rosa.

 

Aparentemente, nestas idades, um rapaz ter seja o que for que se pareça mesmo que longinquamente com cor de rosa, não é uma opção.

 

Ok, pinta-se a bicicleta. Havia duas formas de pintar a bicicleta. Ou pegava num pincel e em tinta e toca de andar ali às voltas, ou desmontava a bicicleta para ficar só com o cor-de-rosa e em vez de pincel pegava numa latinha de tinta em spray e fazia-se a coisa como deve ser. Eu estava mais inclinada para a primeira opção, mas os especialistas disseram-me que para a coisa ficar bem feita, era de spray. Eu gosto de coisas bem feitas (pelo que devia ter pegado na bicicleta e colocá-la de imediato numa loja da especialidade).

 

Demorei uma semana a desmontar a bicicleta e à medida que a desmontava ia pensando para os meus botões que já sabia quem é que não conseguiria montar aquilo tudo de volta. Quer dizer, conseguir conseguiria, mas sobrar-me-iam peças de certeza absoluta.

 

Lá tratei de pintar a bicicleta com o spray, numa noite, num sítio sem luz (e com vento), e no outro dia de manhã toca de lhe dar uns retoques no (abundante) cor de rosa que ainda se via. Havia um dead line, pelo que me valeu a minha maninha, que me deu o contacto de uma loja/oficina onde me prometeram que conseguiam montar a bicicleta em tempo útil. Eu conseguiria, mas tratando-se da bicicleta onde o puto vai andar, achei que era mais seguro serem profissionais a tratar do assunto.

 

Ontem lá fui deixar a bicicleta, toda desmontada num saquinho do Ikea, e hoje fui lá buscá-la. Estava porreiríssima (sendo que para mim, para estar porreiríssima, bastava estar montada), os senhores foram impecáveis, e ainda disfarçaram umas reminiscências de cor-de-rosa que tinham escapado.

 

Mas o mau trabalho de pintura nota-se, não à distância, mas basta olhar com um bocadinho de atenção para ver excesso de tinta numas partes e falta dela noutros sítios. Na loja, olhei para a tinta e pensei, se calhar uns autocolantes ajudam a disfarçar isto, pelo menos por agora. O pessoal é impecável, e lá procuraram uns autocolantes, para ver se havia algum com o tamanho certo. Havia. Ofereceram-mo, e eu já estava a descolar a coisa, com a pressa de disfarçar a pintura, quando os meus olhos dão um pouco mais de atenção ao autocolante. Disse ao puto que se calhar aquele não era o melhor autocolante, olhei para o senhor e ri-me. Por uns momentos houve alguma perplexidade, mas depois compreendeu. E corou. E pediu desculpa, e atrapalhou-se.

 

Percebem porquê? :)

 

 

 

Recomendo vivamente aquela loja. São simpáticos, eficientes, baratos (pelo menos eu achei - €19 para montarem a bicicleta de um dia para o outro e ainda darem uns retoques na pintura), e têm ainda a parte cómica do atendimento. Chama-se Without Stress e fica ao pé daPraça do Município.

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.