Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jonasnuts

Super programadores

Em conversa com um professor universitário, não interessa nem onde nem quando, ouvi uma das coisas que mais me chocaram, profissionalmente falando, nos últimos tempos. E olhem que eu oiço muito bullshit.

O senhor dizia que ao SAPO faltavam super programadores. Aquelas pessoas que, de acordo com a descrição do senhor, têm alguns problemas de relacionamento social, mas descobrem soluções e resolvem problemas. Pessoas para quem (e passo a citar) users are loosers.

Não me lembro exactamente o que é que disse para disfarçar a minha cara de repugnância, mas saí dali o mais rápido que pude.

Muitas vezes perguntam-me porque é que as empresas e o mundo académico não estão mais ligados, porque, de facto, faria sentido. Mas enquanto tivermos professores universitários a destilar este tipo de ensinamento, tentarei manter-me o mais longe possível dos seus alunos.

Um programador, e, já agora, qualquer pessoa que trabalhe num projecto, tem de pensar nos utilizadores do serviço em que está a trabalhar com respeito. Se vem da faculdade a julgar que é superior aos utilizadores, pela parte que me toca vai direitinho tirar fotocópias, que não tenho outro uso para ele.

Nós somos 6, na equipa dos Blogs. Tudo pessoas normais. Bom, estou lá eu, mas para o efeito, considerem-me normal. Ninguém tem problemas sociais, toda a gente fala normalmente, ninguém tem grandes pancadas (novamente neste caso, para o efeito, considerem-me incluída). O facto de sermos normais, permite-nos compreender o utilizador. Como é que um gajo que não percebe os utilizadores lhes vai resolver os problemas?

Eu tinha uma sugestão a fazer ao tal professor, no final do curso, dê aos seus alunos uns formulários de candidatura a um qualquer centro de atendimento telefónico (call centre). É um estágio de desintoxicação que lhes será muito útil.

3 comentários

  • Imagem de perfil

    jonasnuts 06.01.2008 02:28

    Na minha equipa TODOS "aturam" utilizadores. Mesmo aqueles que têm de desenvolver as funcionalidades e fazer lá essa coisa complicada das enormes quantidades de código que estão completamente desligadas da interface com o utilizador.

    E todos têm voto na matéria.

    Qualquer programador que seja orientado para pensar "users are loosers" (e acreditar nisso) nunca poderá ser um bom programador.
  • Sem imagem de perfil

    Manuel Padilha 06.01.2008 03:10

    Não me parece que os blogs do SAPO sejam uma amostra representativa da comunidade de programadores, por isso não me custa acreditar que todos tenham que "aturar" utilizadores (e se coloquei entre aspas é precisamente para não levar à letra), nem que todos sejam óptimos a fazê-lo.

    Há vários exemplos (alguns até famosos, Richard Stallman, por exemplo) de programadores que desprezam a opinião do utilizador final e, ainda assim, são excelentes programadores. Como é que isto é possível? Simples: o código que produzem não vai ser visível para utilizadores finais. Vai ser usado por outros programas, outros sistemas, que por sua vez vão ser usados por outros programas ainda. Só várias camadas depois é que surge o utilizador.

    E toda a gente sabe que uma boa interface para um utilizador é, frequentemente, uma péssima interface para um programa.

    E continuo a achar que o juízo de valor (bom/mau programador) é despropositado.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Pesquisar

    No twitter


    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2015
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2014
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2013
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2012
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2011
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2010
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D
    131. 2009
    132. J
    133. F
    134. M
    135. A
    136. M
    137. J
    138. J
    139. A
    140. S
    141. O
    142. N
    143. D
    144. 2008
    145. J
    146. F
    147. M
    148. A
    149. M
    150. J
    151. J
    152. A
    153. S
    154. O
    155. N
    156. D
    157. 2007
    158. J
    159. F
    160. M
    161. A
    162. M
    163. J
    164. J
    165. A
    166. S
    167. O
    168. N
    169. D
    170. 2006
    171. J
    172. F
    173. M
    174. A
    175. M
    176. J
    177. J
    178. A
    179. S
    180. O
    181. N
    182. D
    183. 2005
    184. J
    185. F
    186. M
    187. A
    188. M
    189. J
    190. J
    191. A
    192. S
    193. O
    194. N
    195. D