Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Jonasnuts

Jonasnuts

Antologia

Jonasnuts, 27.09.22

307950161_417542547198041_3201577154358663371_n.jpeg

Ao contrário do que seria de esperar, não vem de muito longe, a minha relação com Jorge Palma.

 

Porque não era bem de intervenção, e por isso não me chegou por via dos meus pais, e não era delicodoce como o Trovante, e por isso não chegou por via individual. E porque eu não percebia. E porque não fui atrás. E porque, quando comecei a poder gostar, não queria ser desiludida num dos "famosos" concertos. 

Mas era inevitável, não é? Aí há uns 15 anos, talvez um bocadinho mais, não sei como, um link, talvez, ouvi a canção Negativo e foi instantâneo. 

 

Procedi como habitualmente, nas minhas obsessões, comprei tudo duma assentada. E passei muito tempo a descobrir tudo. A conhecer tudo. A saborear tudo. Sem aquela coisa do tempo de espera, que me colide com o sistema nervoso. Absorvi Jorge Palma. Por um lado, tive pena que não tivesse clicado mais cedo, por outro, adorei a quase overdose.

Espetáculos ao vivo eram uma dificuldade. Era um querer e não querer. Nunca quis, nem mesmo quando tinha bilhetes à borla (auto-link). Miúfa de sair desiludida.

Até que em 2018, juntou-se a fome à vontade de comer, o útil ao agradável, o sol na eira e a chuva no nabal, e a Asbihp, uma associação que me é cara, crava ao Jorge Palma um concerto solidário, para ajudar a financiar o campo de férias desse ano. Tinha de ser, não é?

Foi. Muito a medo, mas foi. E foi maravilhoso. Um concerto curtinho, com umas condições de som que não eram as ideais, mas muito, muito bom.

Por motivos vários, não consegui voltar a ver Jorge Palma ao vivo (sendo um dos motivos a antecedência com que comprei bilhete para o CCB em novembro de 2021, que, no dia, me esqueci de ir - só me lembrei no dia seguinte, grande cachola). Até ao domingo passado.

Em julho foi anunciada a Antologia. Anunciaram, mas não puseram logo os bilhetes à venda. A ticketline há-de ter tido uns KPIs jeitosos, nesse mês, à conta dos meus refresh. Se não fui a primeira a comprar bilhete, terei sido a segunda. E não fui de modas. Comprei logo o passe para os concertos todos. E marquei-os na minha agenda, para não correr riscos.

 

Foi no domingo. No Palácio Baldaya, em Benfica. Foi o espetáculo inicial. Diz o programa que, ao contrários dos restantes concertos (que incidirão sobre 3 álbuns), este era sobre o "Só". Só sobre o "Só".

 

E eu estava à espera de ouvir o "Só", eventualmente mais uma ou outra nos encores (já que o homem não canta a mesma música duas vezes no mesmo dia). Ora....... o "Só" tem 15 músicas. Não chega a 1 hora de álbum. E era para isso que eu estava preparada. Assim como assim, não vai para novo, a coisa dava-se ao ar livre e não estava calor. Digamos que fui surpreendida.

 

Sim, houve "Só", mas não só. Houve também "Luís" Beethoven, e Leonard Cohen, e Léo Ferré, e coisas que escreveu para outros (Carlos do Carmo, numa canção de vida e devida), e coisas que outros escreveram para ele (Carlos Tê, valsa de um homem carente), e coisas menos conhecidas, que escreveu para o teatro, e histórias que foi contando, apesar da óbvia timidez e dos assumidos nervos (como é que alguém que celebra e assinala 50 anos de carreira, ainda tem espaço para nervos. É admirável e terno). Houve quase duas horas de concerto. Sem nunca cansar. Sem nunca me ocorrer pegar no telefone. A plateia ajudou, era família que ali estava, e percebia-se bem. Espero que ele também tenha percebido.

 

Não tendo sido um concerto sem erros, foi um concerto perfeito.

Um homem e um piano. Não há muitas coisas mais sexy do que isto.

 

7 de outubro, lá estarei.

 

Find Wally:

308752352_417540970531532_7588574082102113792_n.jpeg

 

Fotos do Facebook da Junta de Freguesia de Benfica

25 anos de Terràvista

Jonasnuts, 23.03.22

terravista.gif

Faz hoje 25 anos, estava com uma direta, mas o Terràvista tinha sido lançado.

 

Há 25 anos, "5MB de língua portuguesa, grátis, na net"  era o slogan do que foi, para muita gente, o primeiro contacto com a possibilidade de publicar conteúdo próprio, online. 

 

As Homepages foram o primeiro serviço de user generated content em domínio pessoal (ou personalizado, vá). Éramos uma cópia do Geocities, mas com uns pós, os Estaleiros, espalhados pelo país, onde havia equipamento, acesso à internet e know how para ensinar quem quisesse a fazer uma página pessoal e a colocá-la online.

O Terràvista foi o meu primeiro desafio profissional nesta área (meu deus..... um quarto de século, sou jurássica), e permitiu-me aprender muito, fazendo, como gosto, com as mãos na massa.

 

Ainda longe da massificação e das redes sociais, o Terràvista permitiu-me, sobretudo, aprender, errando, sem que ninguém apontasse de imediato o dedo. Fiquei a saber umas coisas de gestão de produto, criação e gestão de serviços, comunidades, customer care, e fiquei, sobretudo, convicta de que tinha finalmente encontrado a minha vocação. Não me enganei.

Foi com o Terràvista que aprendi que o customer care é uma poderosa ferramenta de marketing, de comunicação e de customer delight (que na altura não se chamava assim).

 

Já tive mais filhos profissionais, depois do Terràvista, claro, com os quais também aprendi muito e dos quais tenho algumas saudades (dos meus meninos, claro), mas, por ter sido o primeiro, para mim e para  muita gente o Terràvista terá sempre um espaço especial na minha memória.

 

Foi um projeto que contribuiu de forma decisiva para moldar a minha carreira nesta indústria, e foi o meu primeiro movimento para fora da minha zona de conforto. 

 

Estamos muito longe do tempo em que eram poucas as pessoas com internet, e longe das dificuldades e obstáculos à produção de conteúdos, já não é preciso fazer-se um cursinho de html ou usar o FrontPage, há centenas de serviços que automatizam e simplificam todos os processos técnicos e tecnológicos que estão por trás do que fazemos online, e tem sido um prazer e um privilégio assistir de perto, muitas vezes de dentro, a esta evolução.

 

Há 25 anos eu não sabia o que ia acontecer. Só sabia que ia ser muito bom. Não me enganei.

Quatro de Uma

Jonasnuts, 04.03.22

Há 4 anos trouxe-a comigo. Sem saber que estava a trazer a cadela perfeita. Minha companheira de passeios matinais diários, minha comedora de cocós alheios, os olhos mais doces do mundo, o ladrar de guarda mais sonoro, os mais energéticos banhos de relva, o revirar de olhos mais expressivo, à visão de mais um gato.

Não sei que idade tem, nem quando nasceu, mas celebro a 4 de março, o dia em que veio comigo. Devia ter vindo mais cedo. Devíamos ter vindo mais cedo.

 

Há 4 anos, éramos assim. Estamos ambas cada vez melhor :)

Uma.jpg

 

Mute

Jonasnuts, 10.08.21

Twitter lets you avoid trolls by muting new users and strangers.jpg

 

No twitter (oh que caraças, lá vem ela com o twitter - temos pena) há uma ferramenta muito útil. Quero dizer..... há várias, mas hoje decidi falar do mute.

 

Eu não uso o block. Não gosto. Cria-me uma bolha ainda maior do que a que já existe à partida numa rede social em que eu escolho o que vejo. Em cima disso, o block é dar demasiada importância às pessoas, é mostrar que tiveram impacto, que espoletaram uma ação. É também palerma, porque, se alguém quiser mesmo ler o que eu escrevo, não é um block que o impede.

 

Já o mute, é muito diferente. Gosto da sua suavidade subtil. Também não uso com frequência, mas há meia dúzia de imbecis que foram brindados com o mute. 

 

E em que é que consiste o mute? É ligeiramente auto-explicativo. Eles podem falar à vontade, e dizer os disparates que quiserem, e podem, inclusive, mencionar-me e mandar-me DMs, e eu não vejo nada. Eles estão ali, convencidinhos da vida que me estão a dizer coisas, e eu não estou nem aí :) 

 

O único momento em que me apercebo de que estes tristes existem é quando alguém lhes responde e me menciona, e eu percebo que eles andam por ali, ainda, a rondar, entusiasmadíssimos à volta do sol que lhes alumia a existência pobre e que, como o sol real em relação ao mundo, não sabe que eles existem. São momentos de quentinho no coração, por perceber que, felizmente, tenho uma vida sobejamente plena, para não ter de lhes dedicar a atenção por que anseiam.

 

É um "do not feed the trolls" sem o esforço de resistir, porque não me chego a aperceber de que eles andam ali a dizer coisas. É reduzi-los à sua insignificância, sem me importunar. 

 

Uma vez por ano, sensivelmente, faço uma limpeza. Fiz a deste ano, há pouco. Diverti-me muito :)

Trolls will be trolls. Já cá ando há anos suficientes para que apenas consigam divertir-me  :)

 

A fundo

Jonasnuts, 25.07.21

iPhone - Photo 2021-07-25 21_02_41.jpeg

Sempre andei a abrir. Em muita coisa. Na vida, em geral. 

 

Ando, de há uns tempos para cá, a descobrir as delícias do tempo moderado, os compassos de espera, as pausas. Saborear o momento, em vez de o devorar. Tem estado a ser um processo, naturalmente, que estas coisas, de tão entranhadas, não se mudam de um momento para outro. Nem eu quero mudar, tudo, pelo menos. Mas aprender a saborear, tem os seus encantos.

 

Decidi, por causa de notícias recentes, avaliar a forma como uso o espaço público, no que à velocidade diz respeito. E, a verdade, é que se há regra de trânsito que violo com furiosa frequência, é a da velocidade.

Decidi, pois, experimentar abrandar também na condução. Do carro, que de mota nunca fui grande transgressora.

 

De há 3 semanas para cá que sempre que ando de carro (e só tenho podido andar de carro), vou extra atenta e auto-consciente em relação à velocidade e constatei algumas coisas:

 

 - É muito difícil manter-me dentro dos limites legais. Se divago, quando olho para o velocímetro já estou em excesso. Tenho de estar quase sempre a pensar em não ultrapassar o limite. As minhas velocidades de conforto são muito acima do limite legal.

 

- Ninguém anda abaixo do limite máximo. Desde que adotei de forma fundamentalista as velocidades legais, raramente ultrapasso quem quer que seja, e sou ultrapassada a torto e a direito.

 

- O pessoal acha que andar dentro dos limites legais devia ser proibido e reclama muito. Luzes, buzinadelas, insultos, gente que se encosta à minha traseira (salvo seja) numa tentativa de pressionar para que eu ande mais depressa (surte o efeito oposto).

 

- Gasta-se muito menos gasolina, andando dentro dos limites legais.

 

Tenho estado a gostar da experiência. Sentar-me ao volante do carro deixou de ser encarado como uma corrida, passou a ser encarado como um passeio. Saborear a viagem. 

 

Claro que não deixei de ser eu, mesmo saboreando a viagem. Não me deu um ataque zen. Continuo a abominar chico-espertos. Para lhes contrariar a vida, continua a dar jeito ter um carro com bom poder de arranque, e o bocadinho do meu mau-feitio que não pretendo extinguir.

Guarda-se a pressa e a intensidade para ocasiões mais pertinentes e saboreiam-se as viagens.

 

Está-se bem, na calma. 

Aos remos, miudagem

Jonasnuts, 25.06.21

Ainda me lembro de quando tinha de matar a cabeça para encontrar atividades de verão, de jeito, que ocupassem  os putos durante as férias, em segurança e em que eles se divertissem . Não era fácil.

Gostava muito de ter sabido que existia o remo, na altura. Chegaram a fazer uma semana em que experimentaram canoagem e vela, mas nada de remo.

 

Para quem procura uma atividade ao ar livre (tem de ser ao ar livre, este ano, não é?), em que aprendem a trabalhar em equipa, de forma coordenada, em contacto com o Tejo, em segurança, claro, e em que chegam ao fim do dia cansados (um bónus, como sabemos, porque, estoirados, querem é ir para cama) e muito felizes, não procurem mais e liguem para o Ferroviário. Irmãos têm desconto :) 

 

ferroviário.jpg

Chegam a casa cansados e cheios de histórias para contar. E cansados, já disse? :)

 

Quase 4 anos de moto

Jonasnuts, 14.06.21

Faz este mês 4 anos (auto-link) que comecei a conduzir a minha querida PCX.

Muita coisa mudou na minha vida desde essa altura. Aliás, comprar moto fez parte de um movimento de mudança, que teve mais fases, mais conquistas, mais processos. 

Lembro-me bem, do medo de pegar na PCX, e de me montar nela a pensar "caraças, Maria João, tu metes-te em cada uma". Dar umas voltas ali na rua, e depois estender ao bairro, e depois ir aumentando a autonomia, até ir para todo o lado.

Não foi um processo rápido. Andei tensa durante muito tempo. Mas soube logo de início que ia gostar. 

Não sabia é que ia gostar tanto.

Mas gostei. 

Mesmo depois de me ter espetado na traseira de um carro e ter metido umas costelas dentro e ter ficado toda amassada, continuei a gostar.

 

Mesmo assim, nunca me passou pela cabeça que, 4 anos depois, eu teria tirado a carta, teria vendido a minha rica PCX (a um amigo, para saber que fica bem cuidada e sim, comovi-me, quando a deixei na garagem onde vai passar a dormir), e teria comprado outra moto. Muito menos imaginava que passaria de uma 125 para uma 750. E que a compraria em segunda mão, sem ajuda, longe de Lisboa, e que a traria, na sua viagem inaugural nas minhas mãos por esses caminhos de Portugal, ao colo de uma comunidade de malta que fez (e faz) parte da viagem e que me aconselhou e me acarinhou, desde o primeiro momento. 

 

Mas aqui estamos, apesar da falta de imaginação, eu e a minha mota nova, já batizada de Maria, portanto, aqui estamos, eu e a minha Maria, ainda na fase da adaptação e do conhecimento. Ainda a ter de pensar "primeira para baixo, o resto para cima", ainda a mecanizar o exato ponto da embraiagem, ainda borrada sempre que a monto, ou sempre que encontro um novo desafio. Ainda não encontrei a posição de condução certa, ainda tenho de resolver os problemas das manobras, que este bicho é mais pesado que a PCX.

 

Um dia destes falo da epopeia de ter ido levar a minha PCX a Vila Real, e de ter ido buscar a minha Maria a Penafiel, com passagens pelo Porto, por Matosinhos (onde o Neca me tirou esta foto, me ofereceu um café e um cruise control), Cantanhede para pernoitar e reacender o bicho ao Basco da Teresa e, finalmente, casa, onde cheguei toda rota. 

 

Mas agora, é só para assinalar. Dia 10 de junho, deixei a minha primeira mota em boas mãos, vai voltar a ser a primeira mota de alguém e terá sempre um lugar muito especial no meu coração. Também a 10 de junho, apanhei a minha Maria.

JonasNC10062021.jpg

Acho que vou fazer boas viagens :)

 

Dia Mundial dos Direitos dos Consumidores

Jonasnuts, 15.03.21

DIC.jpg

 

Assinala-se hoje o dia mundial dos direitos dos consumidores e, para assinalar a coisa, o Pedro Lourenço, do Portal da Queixa, convidou-me para uma conversa informal, num live, no Facebook do Portal da Queixa, mais logo, pelas 18h00.

 

A conversa não tem guião, mas sendo um tema que nos apaixona a ambos e acerca do qual temos muita experiência pessoal, dos vários lados das várias barreiras, cheira-me que será interessante.

 

Apareçam e participem.