Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




subscrever feeds


Arquivo



Segurança online

por jonasnuts, em 04.07.16

Quem me conhece, seja irl seja virtualmente, sabe que sou ligeiramente fundamentalista no que diz respeito à segurança e à privacidade (as duas são íntimas).

 

Ainda na semana passada fiz uma cena por causa de um mail com demasiadas pessoas em cc. A grande maioria das pessoas não me percebe e acham que eu sou maluquinha, o que, não sendo genericamente falso, neste caso em particular, não se aplica.

 

Sou até moderada. Se eu fosse fundamentalista da segurança e da privacidade não tinha conta em redes sociais (e tenho em praticamente todas, mesmo que não as use assiduamente), só usava browsers em modo privado, usava contas provisórias de mail para me registar em cenas, e só pagava com cartões de crédito virtuais. Ou não me ligava, pura e simplesmente.

 

Mas a segurança e a privacidade são temas que me interessam. Quer do ponto de vista pessoal quer do ponto de vista profissional. Tenho a "meu" cargo dados pessoais de muitos utilizadores, de quem considero ser fiel depositária duma série de dados pessoais cuja segurança e, consequentemente privacidade, está sob a minha guarda. Levo muito a sério, esse papel de fiel depositária.

 

Não há cá consultas ad hoc a bases de dados, não há informações pela porta do cavalo, não há jeitinhos, não há cunhas. E já estive nessa posição mais vezes do que aquelas que gostaria. 

 

Irrita-me solenemente a utilização abusiva dos meus mails. Tenho uma embirração de estimação pela DECO à conta disso mesmo. 

 

Preocupam-me MUITO as tentativas que vêm de todos os sectores, de centralização de informação (só tive cartão de cidadão quando fui mesmo obrigada a isso, este ano, porque já não dava para ter por mais tempo o meu bilhete de identidade), ou a tentativas de fazer bypass à segurança que as empresas adoptam para manter privados os dados dos utilizadores. Acho vergonhoso o que, impunemente, a NSA andou e anda a fazer, e o Edward Snowden é um herói recente da minha parca lista de heróis.

 

Preocupam-me muito mais estas coisas do que os hackers e afins.

 

Aceitei, por isso, o convite que a Siemens me fez para participar na #SiemensTalks. Tem tudo a ver comigo, porque é um debate sobre segurança, e porque decorrerá no Twitter que, como se sabe, é A rede social :)

 

É hoje, a partir das cinco da tarde. Apareçam. Não têm de sair de onde estão.

 

O programa completo e mais contexto, aqui.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bodyscience.jpg

 

 

Este post não tem nada a ver com dietas, e se vieram aqui ter à espera de encontrar a dieta xpto, que em três dias vos faz perder três Kg, estão no sítio errado.

 

Estou a fazer dieta. Neste momento, não interessa qual, e devo dizer que está tudo muito bem encaminhado. O peso e os centímetros já começaram a reduzir, o estado geral de saúde melhorou, o ânimo e a disposição também. Até aqui, tudo normal (been here, more than once).

 

Nunca fui magra, mas sempre achei que era mais gorda do que o que de facto era, apercebo-me agora, pelas fotografias. 

 

Não pretendo ter um corpo de 20 anos, porque, lá está, não tenho 20 anos. Quero apenas sentir-me bem. Esteticamente sim, mas não sobretudo.

 

Por isso, achei que se calhar, para além de ter alterado os meus hábitos alimentares, devia fazer algo mais. Agora, mais o quê?

 

Toca de me pôr à procura, online, de cenas que pudessem ajudar a....vá, contrariar a gravidade e os anos que o meu corpo leva de ganha peso-perde peso.

 

Há uma coisa que me caracteriza. Não embarco em cenas. Ou eu percebo a mecânica da coisa, ou há estudos científicos (dos sérios) que comprovam os métodos e os resultados, ou não alinho. Não serve de nada, no meu caso, falar na tecnologia A, B ou C, se não explicam muito bem em que é que consiste, o que é que faz exactamente, e porquê. Jargão pseudo-científico como Bodyshape, Radiofrequência Tripolar Cronus ou Powershape, não colhem.

 

Fui então ter a um site chamado Clínicas Body Science. As palavras que transcrevi ali acima, proliferam por todo o site, mas não consegui encontrar uma explicação de como a coisa funciona. Reparem, não estou a duvidar dos resultados, afinal de contas, têm lá uma série de testemunhos de gente aparentemente muito satisfeita. Estou só a dizer que não encontrei informação que para mim é imprescindível, para tomar uma decisão.

 

E eis senão quando chego à parte do Bodyshape. Diz que é uma tecnologia inovadora, onde 30 minutos de tratamento equivalem a 730 abdominais. Sem exercício, sem dor, o corpo é induzido a "queimar" gorduras e a tonificar os músculos. Mais, trata-se de um sistema único, analisado em investigação médica (lamentavelmente, sem link para a dita cuja), e combina os Raios Infra-vermelhos filtrados do Tipo A e Micro Correntes de Kotz, técnicas amplamente verificadas durante anos (mais uma vez, sem link para estas verificações quasi centenárias).

 

Mas, e o melhor está para vir, o que eu não sabia, era que esta combinação de Raios Infra-Vermelhos filtrados do Tipo A e Micro Correntes de Kotz, eram o produto da invenção de um cientista russo, o Sr. Kotz que, cereja no topo do bolo, foi até premiado com um Nobel. 

 

Elah, isto é a sério. Fui ver, não fosse o Nobel ser da literatura e não ter nada a ver com os Raios Infra-Vermelhos e eu não sei de cor os nomes de todos os vencedores de prémios Nobel da física e da química.

 

Ainda bem que os Prémios Nobel têm um site. Mas, há claramente um erro no site dos Prémios Nobel. Os gajos esqueceram-se do Kotz, caraças. É que nem numa nota de rodapé.

 

Nesta altura, já tendo abandonado completamente a ideia de alguma vez poder vir a querer saber mais sobre estas cenas que tão bem descritas estavam (e estão) no site, começo a perguntar-me: quem é que são estes gajos? Quem é fiscaliza esta gente? Isto é, clara e alegadamente, publicidade enganadora. Não é só enganadora, é aldrabona, mente, proclama factos que não são factos. Alegadamente. E o que é que lhes acontece? Nada.

 

A ASAE anda tão preocupada e dizimar colheres de pau e merdas do género e não há nenhuma entidade que se encarregue de vigiar este tipo de coisas? 

 

Este foi o primeiro resultado da pesquisa (se não me engano, patrocinado). Estou certa de que há mais. 

 

Não digo que a coisa faça mal, ou que seja uma treta, ou que não funcione, ou que não tenha resultados, ou que as clínicas sejam horríveis porque, não só nunca fui freguesa, como também porque, ensitel. 

 

Mas acho isto ridículo, e acho ainda mais ridículo que haja quem caia nestas tretas, alegadamente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A maternidade e o sono

por jonasnuts, em 03.07.16

Não. Isto não se transformou de repente num baby blog e não, não venho aqui falar das noites sem pregar olho que a maioria das crianças proporciona aos pais.

 

E não falo disso por dois motivos, porque já TODA a gente sabe disso e porque, para ser honesta, salvo muito raras excepções, o meu filho nunca me presenteou com noites desse tipo. Na realidade, a partir da primeira semana de vida o puto dormia no mínimo 6 horas seguidas. Foi de tal forma pacífico que me preocupei, e pensei em acordá-lo a meio da noite, para lhe dar de mamar. Mas, consultada a melhor pediatra do mundo, a Dra. Beatriz Uva, ela disse-me, deixe-se estar sossegada, deixei a criança dormir, a não ser que, por sistema, ultrapasse as 8 horas seguidas. Um descanso, portanto.

 

Eu venho aqui falar duma alteração ao sono muito menos conhecida ou, vá-se lá saber porquê, menos divulgada.

 

Aquela fase inicial, de quando eles são recém-nascidos e bebés, é ultrapassada. Mais ano menos anos eles lá aprendem e crescem e começam a dar noites mais ou menos descansadas. Quando entram na escola é que aquilo de que venho falar hoje começa a construir-se.

 

Quando eles entram na escola, começam a ter horários. No jardim infantil e na pré, os horários são mais ou menos simpáticos, entram até às 10 da manhã. Pacífico.

 

Mas, quando começam no primeiro ano, que para mim ainda é a primeira classe, começam com horários mais agressivos. Entram a umas horas inenarráveis, tipo, 8 da manhã.

 

Portanto, do primeiro ao 12º ano, entram com as galinhas, e obrigam os pais a acordar antes das ditas. 

 

São doze anos a acordar de madrugada. Pelo menos para mim, que o puto nunca andou numa escola suficientemente perto para que o horário de entrada na escola pudesse ser autonomizado.

 

O organismo habitua-se. Cria ritmos. Cria hábitos.

 

E é por isso que eu, hoje, quando o puto já é quase maior e fica a dormir até à uma da tarde, se for preciso e se lhe apetecer, assim que chegam as 7 da manhã começo a despertar, sem despertador, sem luz, sem ruído. Pura e simplesmente acordo e não consigo voltar a pregar olho por mais que tente.

 

É por isso que são sete e meia da manhã de um domingo, o puto nem está em casa (e se estivesse estaria a partir choco), e eu estou aqui, a escrever um post sobre o impacto da maternidade nos ritmos do sono.

 

Eu, que não acordava com trovoadas nem com tremores de terra. Eu, cujo sono se tornou lendário na família por ser mais pesado que o mercúrio (para variar do chumbo, ambos são metais pesados). Eu, a quem o meu filho com três anos chamou de "predicicosa" por querer ficar a dormir mais um bocadinho quando o que ele queria era brincadeira às 9 da manhã. 

 

Eu criei um despertador interno, e o sacana não me deixa dormir, mesmo que eu queira.

 

Alguém sabe como é que se dá uma murraça neste despertador?

Autoria e outros dados (tags, etc)

As minhas aventuras com o IRS - Take 3

por jonasnuts, em 02.07.16

Fui atrás da cena das despesas de educação cujo IVA de 23% não permite que sejam deduzidas à colecta. É o Artº 78C do CIRS.

 

A Lei n.º 82-E/2014 foi alterada a 31 de Dezembro de 2014, portanto, legislatura anterior.

 

Aqui podemos ver que PS, BE, PCP e PEV votaram contra e os outros senhores votaram a favor. 

 

Ora..... se os senhores que estão agora no poder, por maioria parlamentar, votaram contra, e tendo entretanto sido revertida tanta imbecilidade da legislatura anterior (e muito bem), já escrevi aos grupos parlamentares que votaram contra, perguntando-lhes se, agora que estão no poder, não tentarão reverter também esta injustiça.

 

Aos outros grupos parlamentares também escrevi, claro, mas a pergunta foi diferente. Foi mais directa "Em que medida é que estas despesas não são consideradas despesas de educação e porque é que não podem ser deduzidas à colecta?".

 

Em todos os casos identifiquei a lei, a data, e o sentido de voto.

 

A quem mais posso fazer perguntas sobre isto? Onde é que há mais calos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

As minhas aventuras com o IRS - Take 2

por jonasnuts, em 02.07.16

Ministros __ República Portuguesa.jpg

Depois de ter escrito o meu post de há pouco (auto-link), comecei a pensar no que deveria fazer.

 

A primeira coisa foi escrever à minha repartição de finanças, perguntando onde deveria então colocar as despesas de educação cujo IVA é de 23% e aguardarei pela resposta, que deverá chegar no início da próxima semana.

Isto servia para resolver o meu problema no imediato, do ponto de vista da burocracia e da entrega definitiva dos impostos, a ver se me devolvem o mais rapidamente possível o dinheiro que retiveram indevidamente.

 

Mas não chegava. 

 

Decidi então escrever ao Sr. Ministro das Finanças, ao Sr. Ministro da Educação e ao Sr. Ministro da Cultura, com uma mensagem adaptada a cada um dos casos. Usei o portal do Governo, que tem formulários de contacto com os Senhores Ministros, e vamos ver agora quando é que me respondem, e que resposta é que me dão.

 

Aparentemente tenho andado a dormir, porque isto já deu que falar quando foi anunciado. Só agora, que me tocou directamente, é que me apercebi da coisa. 

 

A minha irmã diz para não me esquecer destas coisas, quando eu for votar (ela detesta que eu vote sistematicamente em branco). E eu concordo, não me esquecerei. Mas penso que a participação política das pessoas não se pode resumir ao voto. 

 

Claro que outras formas de participar são amplamente desincentivadas, veja-se o que deu a petição contra a lei da cópia privada (auto-link), ou o debate promovido pelo BE sobre o memorando de entendimento (auto-link). 

 

Depois destas experiências, a minha disponibilidade para este tipo de participação reduziu muito. Estou agora adepta duma participação mais personalizada e mais directa. Ah, mas a união faz a força e sozinha não vais a lado nenhum. É verdade. Mas, neste momento, não tenho alternativa. Ou é isto, ou ficar parada que, neste momento, não é uma opção.

 

O puto vai entrar num curso superior relacionado com as artes. Serão muito poucos os livros, e a faculdade é do estado. Se vão ficar exclusivamente por minha conta todos os materiais necessários para o curso do puto, vou à falência. 

 

Alguém tem mais ideias sobre como contrariar esta imbecilidade?

Autoria e outros dados (tags, etc)

As minhas aventuras com o IRS

por jonasnuts, em 02.07.16

Sou trabalhadora por conta de outrém. Entreguei a minha declaração a tempo e horas. Usei a inserção manual de despesas, cujos documentos somei escrupulosamente. Não aldrabei. Faço isto todos os anos (menos a parte da entrega a tempo e horas, porque já houve anos em que me atrasei).

 

Passados uns tempos recebi a notificação de que os senhores tinham dúvidas no que diz respeito às despesas de educação do menor. Ok, bora lá esclarecer as dúvidas. Digitalizei tudo, e enviei por mail.

 

Responderam muito rapidamente (de um dia para o outro, até me assustei). Pois que teria de tirar as aulas de piano, porque não são despesas de educação. Ok. Não concordo mas admito que possa ser considerado um luxo, sobretudo nos dias que correm. No prob, tiramos as aulas de piano.

 

O problema não era apenas esse. Eu tinha declarado todas as despesas de material e os senhores disseram-me que eu apenas podia descontar as despesas com taxa reduzida de IVA. 

 

Fui ver. Pois que aparentemente, as únicas coisas que contam como despesas de educação são livros, escolas e pouco mais. Se as escolas incluírem no recibo as aulas de piano, já há aqui um double standard.

 

Ora, o meu filho escolheu Artes. Desde o 10º ano que fui apresentada à compra de material escolar em modo "espero que o senhor perceba o que é que está nesta lista, que eu não sei o que são essas coisas". Esfuminhos, sanguíneas, grafites várias, aparos, telas, blocos de papel com características esquisitas e um mundo de outras coisas que a professora foi pedindo ao longo do ano e que não sei para que servem. Na parte de 2015 em que o puto frequentou o 12º ano gastei neste tipo de materiais, cobrados com 23% de IVA, €556,55. Tenho todos os comprovativos.

 

Tudo isto era material que a professora pedia. Tudo isto era material que, se não aparecesse, levaria a uma falta de material e, pior, levaria a que o puto não pudesse executar as cenas que fazem parte do programa da disciplina à qual teria exame. 

 

Em que cabeça é que este material não é uma despesa de educação?

 

Está tudo grosso?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hackers FTW

por jonasnuts, em 17.06.16

Islamic State Twitter accounts.jpg

 

Há muitos anos, ainda longe de me meter nestas coisas das internetes aprendi algo que me tem sido muito útil, ao longo dos anos.

 

Um hacker que diga que é hacker, não é um hacker. Pode ser um habilidoso. Pode ser um sobrinho com jeito para computadores. Pode ser um espertalhão da engenharia social. Pode ser muita coisa. Mas se diz que é hacker, é porque não é.

 

Até hoje, não conheci ninguém que contradissesse esta minha teoria.

 

Isto vem a propósito da última acção de um alegado membro dos anonymous, que hackou uma série de contas de Twitter associadas ao daesh e que em vez de lhes dar o tratamento do costume (expulsar os followers, apagar a conta, denunciar a coisa ao twitter, etc...), decidiu proporcionar-lhes um facelifting. Na minha opinião, esta alternativa, ainda mais subversiva, é muito mais eficaz.

Fico na dúvida se este WauchulaGhost diz que é hacker, ou se nem por isso. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Microsoft Excel.jpg

 

Cá por casa, andamos na cena das médias, e dos exames, e das décimas e das variações.

 

Aquela coisa do, quanto é que é preciso ter no exame de Português, para a média calhar acima dos valores mínimos de acesso à faculdade escolhida? E quem diz Português, diz outra coisa qualquer.

 

Ando portanto naquela fase do "olha, estudasses".

 

As variantes são muitas e precisei de ajuda.

 

Passei pelo site da Direcção Geral do Ensino Superior, que tem uma coisa complexa, que pede imensos dados, e na qual me perdi ao segundo campo de preenchimento. Precisava de algo mais prático.

 

Ora, se eu precisei de ajuda, presumo que haja quem mais a agradeça e decidi partilhar a minha ajuda, que chegou por via de muitas pesquisas (e de experimentar muita porcaria mal feita que por aí se encontra). Acabei por escolher uma folha de cálculo pré-preenchida com as fórmulas, e que permite escolher o curso, as bienais, as disciplinas de opção do 12º, a percentagem que o exame final conta para a média, se inclui educação física ou não e parece-me que está tudo.

 

Não fui eu que fiz, foi o Colégio D. Dinis, que não conheço, mas que pelo menos para isto, tem jeito.

 

Pré-preenchi tudo com notas 10 (e 100 nos exames), por achar que se percebe melhor assim.

 

Quem quiser, pode fazer download da folha de cálculo, aqui

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Manipulando (e não de forma agradável)

por jonasnuts, em 10.06.16

Quanta da informação e conteúdos que consumimos é MESMO aquela que queremos e não algo que nos põem à frente, sabe-se lá com que interesses?

 

Um tema ao qual tenho dedicado uma fatia razoável de tempo, muito por causa dele, que é mais fundamentalista do que eu, mas que sempre me vai abrindo a pestana para isto e para aquilo.

 

 

UPDATE: sem desdizer o que eu digo mais acima na introdução deste post, vale a pena ver o vídeo ali de cima, desmontado, neste artigo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Walk down memory lane

por jonasnuts, em 10.06.16

SAPO - Paginas Gratuitas (1).jpg

 

Quem me conhece sabe que sou uma maricas. Sou uma maricas com pessoas, e sou uma maricas com projectos que de alguma forma marcaram. Sou uma maricas com os meus meninos. Sejam pessoas, sejam serviços.

 

Há projectos nos quais estive envolvida que fazem parte da minha vida. O Terràvista, claro, mas também as Homepages do SAPO, os Blogs do SAPO, a MEO Cloud e, num patamar um bocadinho diferente, o SAPO Fotos.

 

De todos, o único de cujo falecimento tive de tratar, foram as Homepages do SAPO. Já aqui falei disso (auto-link).

 

Fui para o SAPO em 2000, fazer as Homepages, juntamente com o Eduardo. Contrataram-me para fazer a coisa, e depois disseram, "não temos equipa técnica, trate disso". E eu tratei. Foi um no-brainer.

 

Parte do código já estava feito (e teve de ser refeito, diga-se), encomendado a uma empresa externa. Era uma bosta, percebemos logo. Com base na bosta de código que nos deram para trabalhar, renegociei logo o orçamento. Ainda me lembro, acabadinha de sair do ministério da cultura, onde todos os tostões eram contados, a minha alegria em reduzir o orçamento das Homepages numa catrefada de milhares de contos (era o que se usava na altura). Ninguém, no SAPO percebia porque é que eu estava tão satisfeita. Ok, o dinheiro não era um problema para eles, mas eu vinha formatada doutra maneira. O mail com a redução do preço esteve colado na parede atrás de mim durante uns anos. Ainda o devo ter por aí algures, numa gaveta.

 

Uma das coisas de que gostei no SAPO foi da autonomia Deram-me uma coisa para fazer, deram-me um prazo, que eu aceitei, e depois foram à sua vidinha e deixaram-me a trabalhar, sem grandes interferências.

 

O serviço foi lançado dentro do prazo estipulado, e foi um sucesso imediato. Claro. Pusemos ao nosso serviço aquilo que tínhamos aprendido no Terràvista, e pudemos fazer a coisa de raiz. Cometemos erros, evidentemente, mas foram erros diferentes dos primeiros.

 

Chateou-me o nome. Eu tinha anti-corpos com o SAPO. Porque o SAPO dizia que era o site português mais visitado, e na altura não era, na altura era o Terràvista :) Homepages do SAPO não era uma marca, ou melhor, era, mas era uma marca branca. Gostava que o serviço se tivesse chamado Páginas Tantas. Era para ter sido, mas o Dr. Baldino na altura tinha uma visão para os serviços do SAPO. E ele era tão teimoso como eu. E chefia. Homepages do SAPO ficou.

 

Aquela era uma altura (2000) em que a gestão de produto fazia mais ou menos tudo, excepto o design e o código. Os textos, o customer care, a promoção e comunicação, a dinamização da comunidade, a especificação de novas funcionalidades, a avaliação dos números. Tudo era feito por mim. Continuo a gostar de meter a mão na massa em todas as áreas de todos os projectos em que me envolvo. Continuo a fazer customer care (acho que toda a gente envolvida num projecto deve fazer customer care). Nas Homepages do SAPO nunca deixei de o fazer. Sou a única pessoa com acesso à conta de mail das Homepages (embora haja outras formas de contactar a equipa de customer care do SAPO).

 

Há muitas histórias. Muitas noitadas. Alguns dramas de utilizadores (dramas mesmo). Muitas alegrias. Muitos mails simpáticos. Alguns antipáticos, mas poucos. Muitas explicações do que raio era o html. E o Front Page. 

 

A autonomia nunca se perdeu. Houve um momento, algures entre 2002 e 2003 em que o Celso Martinho (fundador do SAPO, na altura director técnico, mas metia o nariz na parte da estratégia dos serviços propriamente ditos) queria capitalizar para o SAPO o sucesso das Homepages. As homepages do SAPO, o seu conjunto, tinham mais visitantes que a Homepage do SAPO. O Celso achou que seria boa ideia colocar uma "marca de água" em todas as páginas das Homepages do SAPO. Portanto, as pessoas tinham lá os seus ficheiros e os seus sites, e a plataforma colocaria uma marca de água com o logótipo do SAPO, que apareceria por cima (ou por baixo, como quiserem) de todas as páginas desse site. Um disparate.

 

Expliquei ao Celso que era um disparate e que as pessoas iriam reclamar (e com razão) e que em user generated content nunca queremos colocar a imagem da nossa marca, porque nunca sabemos o que é que lá vai aparecer. Os meus argumentos não o convenceram, e as várias reuniões que tivemos acerca desse assunto acabaram sempre da mesma forma "faz lá o que te estou a dizer, e põe a marca de água" e eu respondia, "ok, vou então tratar disso". Até hoje. De tempos a tempos lá voltava o Celso à carga, e eu dizia que havia muito para fazer (e havia), mas que trataria assim que possível. Pelos vistos, nunca foi possível. Hoje é brincadeira entre ambos. Às vezes pergunta-me "já trataste da marca de água?" e rimo-nos, ambos. Ainda hoje não concordamos sobre o impacto e a razoabilidade do pedido :)

 

A exploração comercial das Homepages também foi uma luta. Tantas visitas chamaram a atenção do Director Comercial, o João Paulo Luz, que queria à força banners, e pop-ups e pop-unders, e skyscrapers e o raio que o parta, a que eu sempre fui alérgica, sobretudo em user generated content. Neste caso a estratégia da promessa não cumprida não iria funcionar, e a recusa teve de ser feita de outra forma, sobre a qual não posso falar, mas que foi eficaz. Até ao fim, as Homepages do SAPO nunca tiveram nem publicidade nem marca de água.

 

Os destaques e as categorias eram uma labuta. Toda a gente queria destaque (ainda hoje, noutros serviços), e era frequentemente acusada de serem sempre os mesmos destaques (uma acusação comum, para quem quer que seja que faça destaques), e até acusações de receber subornos para atribuir categorias "óptima" e "excelente". Uma vez dei uma desanda tão grande a um utilizador que me telefonou com essa acusação, que todo o open space parou e ficou a ouvir, a achar que eu ia ter um ataque cardíaco de tão alterada que eu estava.

 

As Homepages autenticavam usando o NetBI. A única razão pela qual os servidores do NetBI ainda estão em funcionamento, é a existência das Homepages. Acho que agora o NetBI pode morrer também.

 

Aprendi muito, com as Homepages e com os seus utilizadores. Foram as Homepages que me permitiram, no SAPO, ganhar know how (e capital político) para fazer outras coisas, os Blogs do SAPO, por exemplo e, mais tarde, a MEO Cloud. 

 

Agora que estamos na fase final de descontinuação do serviço (ainda não terminou, ainda há customer care para fazer, tentando que o encerramento tenha o menor impacto possível), este post serve de homenagem ao serviço (eu avisei que sou maricas), de registo de algumas das peripécias e lutas de que os utilizadores não se aperceberam (nem tinha de se aperceber), e para agradecer, a todos os que de alguma forma me ajudaram a levar este serviço a bom porto.

Autoria e outros dados (tags, etc)





subscrever feeds


Arquivo