Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




subscrever feeds


Arquivo



Microsoft Excel.jpg

 

Cá por casa, andamos na cena das médias, e dos exames, e das décimas e das variações.

 

Aquela coisa do, quanto é que é preciso ter no exame de Português, para a média calhar acima dos valores mínimos de acesso à faculdade escolhida? E quem diz Português, diz outra coisa qualquer.

 

Ando portanto naquela fase do "olha, estudasses".

 

As variantes são muitas e precisei de ajuda.

 

Passei pelo site da Direcção Geral do Ensino Superior, que tem uma coisa complexa, que pede imensos dados, e na qual me perdi ao segundo campo de preenchimento. Precisava de algo mais prático.

 

Ora, se eu precisei de ajuda, presumo que haja quem mais a agradeça e decidi partilhar a minha ajuda, que chegou por via de muitas pesquisas (e de experimentar muita porcaria mal feita que por aí se encontra). Acabei por escolher uma folha de cálculo pré-preenchida com as fórmulas, e que permite escolher o curso, as bienais, as disciplinas de opção do 12º, a percentagem que o exame final conta para a média, se inclui educação física ou não e parece-me que está tudo.

 

Não fui eu que fiz, foi o Colégio D. Dinis, que não conheço, mas que pelo menos para isto, tem jeito.

 

Pré-preenchi tudo com notas 10 (e 100 nos exames), por achar que se percebe melhor assim.

 

Quem quiser, pode fazer download da folha de cálculo, aqui

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Manipulando (e não de forma agradável)

por jonasnuts, em 10.06.16

Quanta da informação e conteúdos que consumimos é MESMO aquela que queremos e não algo que nos põem à frente, sabe-se lá com que interesses?

 

Um tema ao qual tenho dedicado uma fatia razoável de tempo, muito por causa dele, que é mais fundamentalista do que eu, mas que sempre me vai abrindo a pestana para isto e para aquilo.

 

 

UPDATE: sem desdizer o que eu digo mais acima na introdução deste post, vale a pena ver o vídeo ali de cima, desmontado, neste artigo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Walk down memory lane

por jonasnuts, em 10.06.16

SAPO - Paginas Gratuitas (1).jpg

 

Quem me conhece sabe que sou uma maricas. Sou uma maricas com pessoas, e sou uma maricas com projectos que de alguma forma marcaram. Sou uma maricas com os meus meninos. Sejam pessoas, sejam serviços.

 

Há projectos nos quais estive envolvida que fazem parte da minha vida. O Terràvista, claro, mas também as Homepages do SAPO, os Blogs do SAPO, a MEO Cloud e, num patamar um bocadinho diferente, o SAPO Fotos.

 

De todos, o único de cujo falecimento tive de tratar, foram as Homepages do SAPO. Já aqui falei disso (auto-link).

 

Fui para o SAPO em 2000, fazer as Homepages, juntamente com o Eduardo. Contrataram-me para fazer a coisa, e depois disseram, "não temos equipa técnica, trate disso". E eu tratei. Foi um no-brainer.

 

Parte do código já estava feito (e teve de ser refeito, diga-se), encomendado a uma empresa externa. Era uma bosta, percebemos logo. Com base na bosta de código que nos deram para trabalhar, renegociei logo o orçamento. Ainda me lembro, acabadinha de sair do ministério da cultura, onde todos os tostões eram contados, a minha alegria em reduzir o orçamento das Homepages numa catrefada de milhares de contos (era o que se usava na altura). Ninguém, no SAPO percebia porque é que eu estava tão satisfeita. Ok, o dinheiro não era um problema para eles, mas eu vinha formatada doutra maneira. O mail com a redução do preço esteve colado na parede atrás de mim durante uns anos. Ainda o devo ter por aí algures, numa gaveta.

 

Uma das coisas de que gostei no SAPO foi da autonomia Deram-me uma coisa para fazer, deram-me um prazo, que eu aceitei, e depois foram à sua vidinha e deixaram-me a trabalhar, sem grandes interferências.

 

O serviço foi lançado dentro do prazo estipulado, e foi um sucesso imediato. Claro. Pusemos ao nosso serviço aquilo que tínhamos aprendido no Terràvista, e pudemos fazer a coisa de raiz. Cometemos erros, evidentemente, mas foram erros diferentes dos primeiros.

 

Chateou-me o nome. Eu tinha anti-corpos com o SAPO. Porque o SAPO dizia que era o site português mais visitado, e na altura não era, na altura era o Terràvista :) Homepages do SAPO não era uma marca, ou melhor, era, mas era uma marca branca. Gostava que o serviço se tivesse chamado Páginas Tantas. Era para ter sido, mas o Dr. Baldino na altura tinha uma visão para os serviços do SAPO. E ele era tão teimoso como eu. E chefia. Homepages do SAPO ficou.

 

Aquela era uma altura (2000) em que a gestão de produto fazia mais ou menos tudo, excepto o design e o código. Os textos, o customer care, a promoção e comunicação, a dinamização da comunidade, a especificação de novas funcionalidades, a avaliação dos números. Tudo era feito por mim. Continuo a gostar de meter a mão na massa em todas as áreas de todos os projectos em que me envolvo. Continuo a fazer customer care (acho que toda a gente envolvida num projecto deve fazer customer care). Nas Homepages do SAPO nunca deixei de o fazer. Sou a única pessoa com acesso à conta de mail das Homepages (embora haja outras formas de contactar a equipa de customer care do SAPO).

 

Há muitas histórias. Muitas noitadas. Alguns dramas de utilizadores (dramas mesmo). Muitas alegrias. Muitos mails simpáticos. Alguns antipáticos, mas poucos. Muitas explicações do que raio era o html. E o Front Page. 

 

A autonomia nunca se perdeu. Houve um momento, algures entre 2002 e 2003 em que o Celso Martinho (fundador do SAPO, na altura director técnico, mas metia o nariz na parte da estratégia dos serviços propriamente ditos) queria capitalizar para o SAPO o sucesso das Homepages. As homepages do SAPO, o seu conjunto, tinham mais visitantes que a Homepage do SAPO. O Celso achou que seria boa ideia colocar uma "marca de água" em todas as páginas das Homepages do SAPO. Portanto, as pessoas tinham lá os seus ficheiros e os seus sites, e a plataforma colocaria uma marca de água com o logótipo do SAPO, que apareceria por cima (ou por baixo, como quiserem) de todas as páginas desse site. Um disparate.

 

Expliquei ao Celso que era um disparate e que as pessoas iriam reclamar (e com razão) e que em user generated content nunca queremos colocar a imagem da nossa marca, porque nunca sabemos o que é que lá vai aparecer. Os meus argumentos não o convenceram, e as várias reuniões que tivemos acerca desse assunto acabaram sempre da mesma forma "faz lá o que te estou a dizer, e põe a marca de água" e eu respondia, "ok, vou então tratar disso". Até hoje. De tempos a tempos lá voltava o Celso à carga, e eu dizia que havia muito para fazer (e havia), mas que trataria assim que possível. Pelos vistos, nunca foi possível. Hoje é brincadeira entre ambos. Às vezes pergunta-me "já trataste da marca de água?" e rimo-nos, ambos. Ainda hoje não concordamos sobre o impacto e a razoabilidade do pedido :)

 

A exploração comercial das Homepages também foi uma luta. Tantas visitas chamaram a atenção do Director Comercial, o João Paulo Luz, que queria à força banners, e pop-ups e pop-unders, e skyscrapers e o raio que o parta, a que eu sempre fui alérgica, sobretudo em user generated content. Neste caso a estratégia da promessa não cumprida não iria funcionar, e a recusa teve de ser feita de outra forma, sobre a qual não posso falar, mas que foi eficaz. Até ao fim, as Homepages do SAPO nunca tiveram nem publicidade nem marca de água.

 

Os destaques e as categorias eram uma labuta. Toda a gente queria destaque (ainda hoje, noutros serviços), e era frequentemente acusada de serem sempre os mesmos destaques (uma acusação comum, para quem quer que seja que faça destaques), e até acusações de receber subornos para atribuir categorias "óptima" e "excelente". Uma vez dei uma desanda tão grande a um utilizador que me telefonou com essa acusação, que todo o open space parou e ficou a ouvir, a achar que eu ia ter um ataque cardíaco de tão alterada que eu estava.

 

As Homepages autenticavam usando o NetBI. A única razão pela qual os servidores do NetBI ainda estão em funcionamento, é a existência das Homepages. Acho que agora o NetBI pode morrer também.

 

Aprendi muito, com as Homepages e com os seus utilizadores. Foram as Homepages que me permitiram, no SAPO, ganhar know how (e capital político) para fazer outras coisas, os Blogs do SAPO, por exemplo e, mais tarde, a MEO Cloud. 

 

Agora que estamos na fase final de descontinuação do serviço (ainda não terminou, ainda há customer care para fazer, tentando que o encerramento tenha o menor impacto possível), este post serve de homenagem ao serviço (eu avisei que sou maricas), de registo de algumas das peripécias e lutas de que os utilizadores não se aperceberam (nem tinha de se aperceber), e para agradecer, a todos os que de alguma forma me ajudaram a levar este serviço a bom porto.

Autoria e outros dados (tags, etc)

IAVE __ Contactos.jpg

 Aqui há uns tempos falei (auto-link) sobre a minha tentativa de encontrar os enunciados completos (com modelos tridimensionais) dos exames de desenho do 12º ano.


No sítio onde era suposto estarem, no site do IAVE, apenas dois ou três enunciados estavam completos.

 

Obviamente contactei o IAVE, avisando que muitos enunciados estavam incompletos, e perguntando se iriam corrigir e quando.

 

E recebi resposta. E nem sequer demorou muito tempo (3 dias).

 

"Em resposta ao V. e-mail, informamos que deve recorrer ao arquivo de Escola."

 

Pronto, é oficial. O IAVE vai fechar aquela secção do site, porque, já se sabe, todos os enunciados de todos os exames estão no arquivo da escola, pelo que não precisam de estar duplicados online.

 

Se me dissessem, vamos corrigir, mas enquanto não corrigirmos, pode recorrer ao arquivo da escola. Muito bem, seria uma excelente resposta.

 

Agora este "vai mazé ao arquivo da escola e não chateies mais" encanita-me.

 

Mas eu sou esquisita.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ciclos e contraciclos

por jonasnuts, em 01.06.16

Homepages.jpg

 

Faz em Dezembro 16 anos que comecei a trabalhar no SAPO. 

 

Vim sem conhecer ninguém. Candidatei-me espontaneamente, alguém viu o meu CV e chamou-me para vir fazer o serviço de alojamento gratuito de páginas pessoais do SAPO. Por causa da minha experiência com o Terràvista.

 

O serviço foi definitivamente terminado hoje, depois de muitos avisos, e de marcha-atrás para que nenhum utilizador ficasse demasiado prejudicado.

 

Foi comovente, para mim, receber muitas mensagens de "foi nas homepages do SAPO que comecei a fazer experiências com html, adolescente, e hoje trabalho nesta área, obrigado", ou "melhor serviço do SAPO desde sempre, obrigado por terem estado desse lado". Foram muitos os mails deste tipo que recebi. Também recebi uns menos simpáticos, mas com a mesma intenção.


Um serviço com tantos anos, e que há já alguns que não tinha qualquer desenvolvimento ou evolução (não fazia sentido), mantido exclusivamente para que os utilizadores não perdessem conteúdo e endereços, e vá, um bocadinho de dificuldade minha em acabar com coisas com as quais tenho relações emocionais.

 

As Homepages foram o primeiro serviço que fiz no SAPO. 

 

O ano de 2015 deu início a uma série de encerramentos de ciclos da maneira mais dramática possível. Pessoais e profissionais. 2016, apesar de mais light, felizmente, está a continuar a tendência.

 

Muitos ciclos que se fecham. Pessoais e profissionais.

 

No entanto, ao contrário de 2015, 2016 está também a ser um ano em que há ciclos que se iniciam.

 

Ciclemos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

#jonasnacarris

por jonasnuts, em 30.05.16

Por motivos que agora não interessam (mas de que não me esqueço), passei a ir de transportes públicos para o trabalho.

 

Todos os dias de manhã saio de casa, de carro, levo o puto à escola, deixo o carro por lá e apanho o autocarro para o trabalho. Ao fim do dia, é o percurso inverso.

 

Ainda estou na fase em que consigo achar piada às coisas, e vou comentado o que me rodeia, à medida que vai acontecendo, no Twitter. Uso a hashtag #jonasnacarris

 

Mas, brevemente, vai esgotar-se a piada da coisa. E isto da nossa relação com os transportes públicos é como qualquer outra relação, tem de ser alimentada e acarinhada, senão cai-se na monotonia.

 

Por isso, quando as coisas começarem a esfriar, e a piada começar a esfumar-se, será necessário fazer algo que reacenda a chama. Não é uma questão de "se", é uma questão de "quando", pelo que já comecei a pesquisar. E em boa hora o fiz. 

 

Já tenho a ideia que vai reactivar a minha relação com os transportes públicos em geral, e com a Carris em particular.

 

Provavelmente depois das férias, investirei em algo deste género:

 

 

Terei, no entanto, de descobrir forma de levar uma go-pro atada à cabeça, para filmar as reacções das pessoas. Ideias procuram-se :)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Modelos tridimensionais procuram-se

por jonasnuts, em 28.05.16

EX-DesA706-F2-2013.indd.jpg

 

O IAVE é o antigo GAVE, por alguma razão, estas coisas estão sempre a mudar de nome.

 

Tem imensos recursos, muito interessantes e importantes para os alunos e respectivos pais.

 

Posto isto, detesto informação incompleta. Ando à cata de enunciados de exames de desenho do 12º ano.

 

Não é que não estejam lá, que estão. O problema é que estão incompletos, à excepção dos do ano de 2013. A todos os outros falta a porra do "modelo tridimensional que se encontra anexo ao enunciado" mas que não se encontra anexo porra nenhuma.

 

Consegui encontrar online os modelos tridimensionais de 2015, mas para todos os outros anos, vou ter de comprar livrinhos.

 

Ainda pensei que pudesse haver anos em que houvesse modelos tridimensionais e anos em que a tridimensionalidade fosse mandada às urtigas, mas não, em todos os enunciados falam do "modelo tridimensional que se encontra anexo ao enunciado".

 

E já nem peço sugestões de resolução, porque a desenho, a coisa é tão subjectiva que seria impossível dar sugestões de resolução.

Mas nas outras disciplinas podiam ao menos dar links para o excelente trabalho feito, por exemplo, pela Aproged (Associação dos Professores de Desenho e Geometria Descritiva, aqui, ou pela Ciberprof, aqui.

 

Fica a nota, para que possa ser debatida em sede própria (adoro deixar notas para sedes próprias).

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os amigos do Facebook

por jonasnuts, em 26.05.16

Eu costumo dizer que, no Facebook, sou uma meretriz.

 

E é verdade. Sempre fui muito selecta, só adicionava (ou permitia que me adicionassem) se estivessem cumpridos determinados critérios que até eram rígidos. Isto é, eu não precisava de conhecer pessoalmente para adicionar, mas tinha de saber quem eram. Há pessoas com quem me dou e de quem sou amiga (na verdadeira acepção da palavra) e que nunca vi na vida.

 

E depois aconteceu aquela cena da ensitel, e centenas de pessoas pediram-me amizade nessa altura. E como em tempo de guerra não se limpam espingardas, aceitei todos os pedidos de amizade.

 

Foi a ensitel que fez de mim uma meretriz, facebookiamente falando.

 

Mais coisa menos coisa, mantive essa política. O Facebook, o meu Facebook, é uma mera extensão do meu Blog, com mais uns pós. Não publico coisas demasiado pessoais. Não publico fotos dos meus. Nada que não possa ser lido por qualquer pessoa.

 

Tive sempre alguns cuidados mínimos, e uso vários critérios para aceitar ou recusar um pedido de amizade. Um dos critérios que mais valorizo é o dos amigos em comum. Em linguagem técnica, o FOAF (Friend of a friend).

 

Recebo um pedido de amizade, vou ver o que é que aquela pessoa publicou ultimamente e dedico especial atenção aos amigos que temos em comum. Se não há amigos em comum, sou mais esquisita. Mas normalmente há (lá está, fruto da minha meretricidade), e são uma boa referência. Ok, este chegou-me através dos meus amigos dos Blogs. Este chegou-me através da cópia privada. Esta chegou-me das publicidades. Este veio do SAPO. Este é família. Agrupo as pessoas.

 

Os amigos em comum são uma recomendação. Se fulana e beltrano são amigos deste caramelo, é sinal de que pode ser interessante, ou que é de confiança.

 

E isto é um erro. A começar porque se toda a gente for como eu, aceitando todos os pedidos, arrasa completamente esta rede de confiança por interpostas pessoas. E depois porque o que é interessante para as pessoas que conhecemos pode não ser interessante para nós.

 

E vem isto a propósito de quê?

 

A propósito de um palerma que excluí hoje da minha lista de amigos. Palavra de honra que fui ver por mais do que uma vez, durante a "conversa" os amigos que tinha em comum com aquela aventesma. 12 amigos em comum. Enfim, 11, porque um já morreu, mas ainda tem perfil no Facebook.

 

12 pessoas, 7 das quais conheço pessoalmente. Uma com quem já trabalhei durante uns anos e duas a quem já prestei serviços de consultoria de gestão de imagem e reputação online, e o morto, um grande amigo da minha mãe e de quem eu gostava bastante. 12 pessoas. E podiam ser 12 pessoas que eu conhecesse vagamente e que me fossem indiferentes, mas não. 12 pessoas de quem eu gosto ou que respeito. 

 

Estas 12 pessoas, ao serem amigas deste caramelo, cujo pedido de amizade aceitei há uns tempos, credenciaram este senhor, a não ser que, lá está, sejam como eu.

 

(3) Pedrocoiso.jpg

 

 

E também por causa de saber exactamente de quem é que ele é amigo, no Facebook, decidi responder-lhe a uma questão que tinha colocado sobre transexualidade, porque é um tema sobre o qual tenho conhecimentos acima da média, por ter acompanhado uma transição mais ou menos de perto. Eu também já tive perguntas.

 

Resultado? Uma pessoa ignorante (e com vontade de se manter assim) e preconceituosa. Eu também sou ignorante acerca de muitos temas, mas se tenho uma oportunidade de ser um bocadinho menos ignorante, aproveito-a. E também tenho os meus preconceitos, sim senhora. São relativamente inócuos, mas tenho. Mas como sei que os tenho, preparo-me para os desvalorizar, sempre que os apanho em acção.

 

Mas, acima de tudo, o que me fez confusão, foi a total incapacidade para a empatia. A capacidade de se pôr no lugar do outro. E empatia, é algo que me assiste e que valorizo muito, sobretudo se for em relação a alguém que eu considere mais desprotegido, mais vulnerável, mais injustiçado.

 

Disse-lhe mais ou menos isto, e o senhor ofendeu-se. 

 

Por palavras mais polidas (lá está, os amigos em comum) mandei-o ir dar sangue para chouriços e deixei-o a falar sozinho. Desamiguei e fiz unfollow, que é algo que faço relativa facilidade, sempre que vejo alguém a publicar coisas que são de todo em todo incompatíveis com a minha maneira de pensar. Reparem, não digo "diferentes da minha maneira de pensar", digo "incompatíveis" que são coisas diferentes.

 

Acho que devia haver no facebook um disclaimer, para as pessoas que, como eu, são umas meretrizes das amizades, do género daqueles anúncios que apareciam nos jornais há uns anos:

 

Eu, abaixo-assinado, declaro que não me responsabilizo pelos actos, posts, fotos, mensagens ou comentários publicadas pelas pessoas com quem mantenho um vínculo bidireccional de "amizade" no Facebook.

 

Não vá alguém comer gato por lebre.

Autoria e outros dados (tags, etc)

A pixelização dos cérebros

por jonasnuts, em 26.05.16

Ontem fui parar, por acaso, a uma notícia do DN que tinha por título "Emilia Clarke explica porque recusou duplo para nudez frontal".

 

Em primeiro lugar, acho muito bem que tenha recusado um duplo, que teria dificuldades em reproduzir umas mamas aceitáveis, a ter usado um corpo substituto, teria de ser o de uma dupla, mas não é essa a minha questão. 

 

Olhei para a foto que ilustrava o artigo, e os senhores do DN (ou senhoras, não sei), decidiram que os mamilos da Emilia Clarke eram areia demais para a nossa camioneta, e pixelizaram a coisa. Não pixelizaram as maminhas, pixelizaram os mamilos.

pixelizada.jpg

 

A minha primeira reacção foi achar que todas as fotos desta cena tinham sido pixelizadas, e que o DN não tinha conseguido encontrar uma sem pixels. Justificava, embora, na minha minha opinião, se não arranjavam sem pixels, mais valia não ter fotografia, mas aí, lá está, a notícia teria menos audiência.

 

Mas numa pesquisa rápida encontrei facilmente a mesma foto, sem pixels (e uma catrefada de outras fotos da actriz em todas as posições e com mais ou menos roupa).

sempixels.jpg

 

E fiquei sem perceber.

 

Por que raio um jornal português decide pixelizar os mamilos duma actriz? Não percebo quando é nos states, mas percebo ainda menos em Portugal.

 

Já perguntei ao DN, no Twitter, o porquê da opção. Mas estou à espera da resposta muito sentadinha.

 

Pixelizar mamilos é estúpido. Pixelizar mamilos femininos, mas não os masculinos, é estúpido E sexista.

 

Esta tentativa moralista de aproximação ao que os states têm de pior parece-me uma má estratégia. 

 

A Europa está a perder os valores que, na teoria, a definiam. Esta é uma questão menor, face a temas bem mais dramáticos dessa perda de valores, mas é um indício de que caminhamos atrás dos fundamentalismos dos EUA. Mais uns anitos e temos por cá um Trump (o que nem seria grande novidade, diga-se, que na Madeira foi o que se viu com o Alberto João Jardim).

 

Não refilem agora que não é preciso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cara Lusófona

por jonasnuts, em 25.05.16

Foi com muito gosto que soube que andam a fazer a ronda das escolas secundárias, dando a conhecer os serviços que prestam, no ensino superior, e explicando os cursos, de forma contextualizada, aos alunos do 12º ano, para cada uma das áreas.

A sério que gostei.

 

Achei um bocadinho estranho o material promocional, por ser num suporte "analógico", mas percebi que todas fizeram mais ou menos a mesma coisa.

 

O vosso "folheto" era, de longe, o mais luxuoso. Quadricromia frente e verso, papel com, no mínimo 180gr./M2, pelo menos 4 dobras, um luxo. Vê-se que têm dinheiro para investir. Excelente.

 

lusofona.jpeg

E, no entanto, o meu filho disse-me à cabeça que não queria ir para a Lusófona, pelo que perderam um freguês. E como eu acredito nas críticas construtivas, até vou explicar porquê, quais as razões que ele deu, e que eu subscrevo.

 

O vosso folheto é capaz de funcionar para os finalistas de ciências ou de economia, ou mesmo de letras. Mas, o meu filho escolheu artes. E não escolheu artes por ser mais fácil, ou por achar que teria menos trabalho (quer dizer, também teve a sua importância, mas não foram os principais motivos). O meu filho escolheu artes porque é essa a vocação dele. Desde sempre.

 

E ele explicou-me porque é que a Lusófona não fazia parte da short list das escolhas dele.

 

Mãe, eu estou em artes, é uma área em que me quero especializar. Uma universidade que me apresenta como cartão de visita um folheto cheio de erros, é sinal de que pode ser boa noutras áreas, mas na área do Design, não presta para nada.

 

E que erros são esses, perguntam vocês?

 

lusofona2a.jpg

Estão a ver a imagem bucólico campestre, a da vaca com um casal em que a menina tem um gato ao colo? Pode ser que funcione para potenciais alunos de veterinária mas, para um aluno de artes, aquele intervalo entre o topo dessa imagem e a foto de cima, a das boazonas, aos olhos de um aluno de artes, é um erro.

 

Ainda na mesma montagem de fotos, e voltando à imagem da vaca, se olharem para o alinhamento dessa foto, com as duas fotos dos nerds que estão à esquerda, reparam que há ali um gap, que colide também com a do Humphrey Bogart wannabee.  

 

E, por último, o texto.

 

lusofona2b.jpg

Estão a ver o ponto no i? Não me refiro ao acento, mas ao ponto. Reparem que está por baixo do "e"da palavra "Teu". A curva do ponto podia acompanhar a curva do "e". E não acompanha.

E pronto, o meu filho diz que não confia numa universidade que parece ser tão fraca nas competências que se propõe a ensinar. Não confia.

 

E eu estou com ele.

 

Espero ter ajudado.

Autoria e outros dados (tags, etc)





subscrever feeds


Arquivo